Após teto desabar, biblioteca da Uespi ainda está fechada

O teto da UESPI desabou na madrugada do dia 5 de janeiro.

Mais de um mês depois de o teto da biblioteca da Universidade Estadual do Piauí ter desabado, o local continua fechado para os alunos. Segundo a administração superior da instituição, a biblioteca seria reaberta parcialmente quatro dias depois do incidente, no entanto, os estudantes continuam sem poder ter acesso ao local.

O teto desabou na madrugada do dia 5 de janeiro. Em nota, publicada no site da instituição, o espaço seria reaberto para os alunos quatro dias depois, após ser feita inspeção, para que fosse realizado o laudo técnico, com as causas do desabamento.

A área danificada foi de 80m² e possuia um acervo de mil livros, que foram parcialmente destruídos. A estudante do curso de Matemática, Aurilene dos Santos Silva, que está cursando uma disciplina no período especial, reclama da falta que o acervo da biblioteca está fazendo aos alunos.

?O nosso acervo já é pequeno e não estamos tendo acesso nem a ele?, disse a estudante, completando que apenas devolução e renovação de livros estão sendo permitidas estes dias. Outra reclamação dos alunos é em relação ao local de estudo e ao uso da internet, que com a biblioteca fechada foi impossibilitado.

?Quando nós queremos estudar aqui na Uespi temos que ficar nos pátios, mas eles são abertos e têm circulação de pessoas e barulho, não sendo, portanto, adequado para isso. Ou então procuramos alguma sala de aula, mas o certo era nós estarmos dentro da biblioteca. Outro problema é em relação ao uso da internet. Antes nós usávamos os computadores que ficavam no hall de entrada da biblioteca agora não podemos?, reclamou.

A assessoria de comunicação da Uespi disse que estão sendo feitos os acabamentos no espaço onde funciona a biblioteca, para que possa ser liberada para os estudantes. A previsão, segundo a assessoria, é que o local seja aberto até o início das aulas, que está previsto para o mês de março. Quanto aos livros, a assessoria informou que estão sendo recuperados.

Fonte: Pollyanna Carvalho