Argentina vai distribuir três milhões de computadores a estudantes

Em uma primeira fase, 250 mil netbooks serão entregues a alunos de escolas técnicas

Três milhões de estudantes da escola pública secundária da Argentina receberão computadores como ferramenta de estudo. Em uma primeira fase, 250 mil netbooks (computadores portáteis menores que os notebooks) serão entregues aos alunos de nível médio de escolas técnicas.

A distribuição dos computadores é o principal objetivo do programa Conectar.Igualdade.com.ar, lançado pela presidente Cristina Kirchner. O programa, que será desenvolvido nos próximos três anos, terá financiamento da Administração Nacional da Seguridade Social.

Os estudantes que receberem os computadores poderão levá-los para casa assim que terminar o curso. O importante, na visão do governo argentino, é que os estudantes continuem a frequentar a escola até chegar à universidade. Os computadores podem ser um estímulo para que os estudos não sejam interrompidos.

A presidente argentina disse, segundo a Telam, agência oficial de notícias, que o programa permitirá a igualdade de oportunidades que todos os estudantes merecem.

- A escolha da palavra ?igualdade? para definir o programa não foi casual. A igualdade é uma busca de todos os argentinos comprometidos com o desenvolvimento, desde 1810.

A data mencionada por Cristina Kirchner refere-se ao início de governos que tiveram a palavra ?igualdade? como um dos seus principios básicos. Na avaliação da presidente argentina, a palavra esteve presente da vida do país nos governos de Domingo Faustino Sarmiento, que voltou sua atenção para o ensino, e de Roque Saenz Peña e Hipólito Irigoyen, que trabalharam pela igualdade do direito de votar.

- Foram Juan Domingo Perón e Eva Duarte que deram forte conteúdo econômico à igualdade, para que ela não fosse apenas uma palavra a mais.

Cristina Kirchenr atribuiu a Peron e Evita iniciativas que permitiram a entrada dos filhos de operários nas universidades.

- Não fossem essas iniciativas, eu e muitos argentinos teríamos terminado apenas o curso primário.

Segundo a presidente, ?nossa geração acessava a informação por meio do livro. Os jovens de hoje fazem isso pela internet. Não devemos nos horrorizar se um jovem é capaz de passar várias horas diante de um computador porque isso mostra que eles têm as condições básicas para o aprendizado: constância e poder de abstração. O que precisamos entender é que os jovens encontraram um novo instrumento de aprendizagem?.

Fonte: R7, www.r7.com