Árvores são derrubadas para dar lugar terminal de ônibus na capital

Já foram derrubados quase 50 oitis, vegetação tradicional na região

O bosque que se localiza na BR-343, no Bairro Dirceu Arcoverde, ao lado do Colégio Fundação Bradesco está sendo, totalmente, destruído. A devastação teve início na última quinta-feira (06) e já foram derrubados quase 50 oitis, vegetação tradicional na região.

A derrubada das árvores tem acontecido para dar espaço ao terminal de ônibus no bairro. Trata-se de árvores identificadas como oitis e mangueiras, que remontam da década de 1990 e foram plantadas por funcionários da Fundação Bradesco e também por Agostinho Brito, proprietário de autopeças e morador do local.

Segundo Agostinho Brito, quando se tornou morador do bairro plantou 100 árvores, ao longo do tempo 50 foram danificadas por atos de vandalismo. Com o projeto do terminal de ônibus, as outras 50 mangueiras foram transplantadas para outro local. "Sou responsável por plantar só as mangueiras. Quando a prefeitura chegou com o projeto eu solicitei que transplantasse a vegetação que seria retirada e fui atendido", destaca o morador.

Apesar de suas árvores terem sido levadas para outro local, Agostinho Brito não acredita em perda ambiental. "Eu vejo que a árvore que precisar ser removida, que faça, mas que reponha em outro ambiente. Porque tem também a questão do desenvolvimento da cidade e isso a população deve entender que o processo existe e tem que continuar", pontua.

É o que acredita a ambientalista Gaia Rêgo, que garante que o prejuízo não será intenso, caso espécies sejam plantadas em outro espaço. "O corte de vegetação sempre traz prejuízos. Mas neste caso, segundo a Legislação Ambiental, não se trata de nenhum crime ambiental por não se tratar de espécies nativas. Mas de qualquer maneira, é importante que ocorra o replante em outras áreas", sugere.

A defensora do Meio Ambiente Gaia Rêgo destaca também sobre a necessidade de, em certas situações, devastar em prol do desenvolvimento da cidade. "Não dá para desenvolver uma cidade sem ocorrer a retirada de plantas, mas claro, que dependendo da área e do tipo de vegetação. Neste caso específico não há impasse significante", destaca.

A assessoria da Superintendência de Municipal de Transportes e Trânsito (Strans), responsável pela obra, foi contactada pela equipe do Jornal Meio Norte e esclareceu que se trata do terminal de ônibus do Bairro Dirceu Arcoverde, que vai facilitar o acesso ao transporte coletivo da população. Já as árvores retiradas estão sendo replantadas em outro espaço, porém não informou o local de destino.

Fonte: Virgínia Santos e Márcia Gabriele