Ataque contra 80 brasileiros no Suriname deixa 14 feridos e uma grávida morta

Segundo embaixada, sete feridos estão internados em estado grave

Um ataque contra cerca de 80 brasileiros em Albina, cidade do Suriname a 150 quilômetros da capital Paramaribo, deixou 14 feridos, dos quais sete em estado grave, e uma brasileira grávida morta, segundo informações da Embaixada do Brasil no país.

O ataque teria sido uma retaliação à morte de um morador local. Um brasileiro teria assassinado na véspera de Natal, dia 24, um "marrom", como são conhecidos os surinameses quilombolas.

O brasileiro está foragido. De acordo com o embaixador brasileiro no Suriname, José Luiz Machado e Costa, as autoridades surinamesas estimam que entre 100 e 500 marrons tenham atacado os brasileiros em retaliação. De acordo com a embaixada, os brasileiros que vivem em Albina trabalham no garimpo de ouro, atividade proibida no Suriname, e vivem, em sua maioria, ilegalmente no país. Albina tem cerca de 10 mil habitantes e fica na fronteira do Suriname com a Guiana Francesa.

O embaixador informou que não é possível estimar a quantidade de brasileiros que vivem em Albina porque a maioria é nômade, vive um pouco para atuar no garimpo, morando em tendas plásticas, e vai embora. O embaixador José Luiz Machado e Costa afirmou que houve um "ataque brutal aos brasileiros" e que os marrons estupraram mulheres e atacaram o grupo de brasileiros com facões.

A mulher grávida assassinada teria sido golpeada no pescoço com um facão, disse Costa. Após os ataques, as autoridades surinanesas levaram 81 brasileiros para a capital Paramaribo em dois ônibus. Os 14 feridos estão em um hospital militar e sete estão em estado grave.

"Os golpes de facão produzem ferimentos graves e pode ser que o número de mortos aumente", disse o embaixador. Segundo ele, uma equipe da embaixada está no hospital para obter a identidade dos brasileiros e analisar quais são as necessidades imediatas. "A situação é bastante complicada e hoje a embaixada está montando uma espécie de multirão de emergência. Estamos em contato com os ministros locais da Defesa e da Justiça", afirmou o embaixador.

Os brasileiros que não se feriram foram hospedados em dois hotéis, disse ele e cerca de 30 vão ser interrogados pelas autoridades locais. Do grupo que atacou os brasileiros, quatro pessoas estão presas e as autoridades surinamesas investigam se há outros envolvidos. Na avaliação da embaixador, o governo surinamês está sendo muito atencioso com os brasileiros.

"Hoje o exército e a polícia estão voltando a Albina para uma avaliação geral. Os ministros foram para a televisão na noite de sexta (25) e pediram oficialmente desculpas aos brasileiros, o que demonstra um especial cuidado e apreço pelos brasileiros." O embaixador afirmou ainda que o Ministério das Relações Exteriores ofereceu um avião da Força Aérea Brasileira para enviar ajuda aos brasileiros atacados, mas ainda depende do posicionamento das autoridades surinamesas.

"Isso é um assunto interno do Suriname e não podemos interferir na soberania do país."

Simpatia

O embaixador afirmou que nunca houve precedente de desentendimento entre locais e brasileiros. "A relação de integração no Suriname é completa e temos total simpatia com eles. Eu acredito que tenha sido mais uma atitude de massa, começa um quebra-quebra e a coisa sai do controle. Não qualificaria como ressentimento.

" Cerca de 18 mil brasileiros vivem no Suriname, segundo a embaixada. O país tem uma população de cerca de 500.000 habitantes, e sua economia é baseada, principalmente, na mineração.

Fonte: g1, www.g1.com.br