Até maio, STJ pretende enterrar processos em papel

Dos 32 tribunais do Brasil, 29 enviam processos eletronicamente ao tribunal que, em abril, só receberá ações por meio digital

Há um ano, funcionava a todo vapor dentro do Superior Tribunal de Justiça (STJ), em Brasília, uma marcenaria. Tinha funcionários, subchefe e chefe de setor. O que, à primeira vista, parecia um departamento completamente estranho ao trabalho do tribunal, tinha uma função essencial: reparar balcões e armários trincados e consertar cerca de 50 portas que eram quebradas por mês.

A quebradeira era causada pelo entra e sai de gaiolas de ferro abarrotadas de processos nos gabinetes de ministros e nas repartições do STJ. Eram mais de 400 mil processos em andamento. Colocadas umas sobre as outras, as folhas dos processos somavam 12 quilômetros _o comprimento de 120 campos de futebol.

Os processos simplesmente não cabiam mais no prédio do tribunal. ?Havia salas nas quais os funcionários tinham de andar sobre os processos, sem qualquer exagero?, afirma Francisco Lima Coutinho, coordenador de registro de processos recursais do tribunal. Coutinho é o responsável por cuidar dos recursos que chegam ao STJ de 32 tribunais do país: 27 tribunais de Justiça e cinco tribunais regionais federais.

Fonte: Último Segundo