Atendimento do SAMU bate recorde com trotes em 2011

Atendimento do SAMU bate recorde com trotes em 2011

Samu atendeu mais de 65 mil ocorrências em 2011

Mais de 65 mil atendimentos foram realizados durante o ano de 2011 pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU) de Teresina. Este ano, o maior número de atendimentos registrados foram nos casos de urgência clínica de adulto, traumas por acidentes de trânsito e urgências obstétricas.

De acordo com os relatórios do SAMU, foram realizados 65.420 atendimentos, sendo o mês de março o período com maior quantidade de registros, totalizando 6.586 ocorrências. Até novembro de 2011 o SAMU realizou 11.117 atendimentos de urgência clínica adulto, que correspondem aos casos de mal súbito, problemas cardiorrespiratórios e cardiovasculares.

Já os traumas por acidente de trânsito totalizaram 5.374 atendimentos, seguidos das urgências obstétricas, que alcançaram a quantidade de 3.235 ocorrências. Segundo a coordenadora do Samu, Ana Tecla Andrade, dentro desses dados, uma das preocupações é com a quantidade de trotes, que atrapalham a prestação do serviço às pessoas que realmente necessitam de socorro.

?Este ano, os trotes responderam a 177 chamadas o que acaba atrasando a prestação de serviço, pois, quando se envia ambulância aos casos que não precisam de socorro, pode ocorrer de se deixar de atender a casos mais graves?, ressalta Ana Tecla.

Os atendimentos do SAMU são realizados por uma rede contendo 13 ambulâncias, sendo dez de suporte básico e três de suporte avançado com UTI, além de duas motolâncias que circulam 24h. O SAMU deve ser acionado por meio do número192, nos casos de problemas cardiorrespiratórios de intoxicação, trauma ou queimadura, de quadros infecciosos, maus tratos, trabalhos de parto, crises hipertensivas, quando houver acidentes com vítimas, choque elétrico ou acidentes com produtos perigosos e na transferência de doentes de uma unidade hospitalar para outra.

Durante o atendimento pelo telefone, um profissional do SAMU registrará o endereço e o telefone de quem solicitou o serviço para que o médico inicialmente saiba das condições do paciente. Se o caso não requer o envio de uma ambulância, o médico orientará como proceder. Caso contrário, a ligação será transferida para um rádio-operador, que acionará a ambulância mais próxima da ocorrência.

Fonte: Ascom