Atividades da Agricultura Familiar mobilizam a população de THE

Uma das mobilizações aconteceu na manhã de ontem.

Todos têm direito a uma alimentação saudável, acessível, de qualidade, em quantidade suficiente e de modo permanente. É o que consta na Declaração Universal dos Direitos Humanos. No entanto, nem todos têm de maneira igualitária acesso a essa alimentação.

Para alertar a sociedade, em âmbito mundial, sobre a questão da fome e da insegurança alimentar, foi comemorado sexta-feira, 16, o Dia Mundial da Alimentação, data instituída pela Organização das Nações Unidas (ONU).

Uma das mobilizações aconteceu na manhã de ontem, (16), na Rua Climatizada, localizada no centro de Teresina, e chamou atenção das pessoas que passavam pelo espaço, para participarem das atividades que envolvem orientação acerca da alimentação saudável, como: avaliação nutricional, distribuição de materiais informativos, aferição da pressão arterial e ainda venda de alimentos produzidos pela Agricultura Familiar.

Quem não deixou de conferir a ação foi Maria dos Reis, funcionária pública, que tratou logo de adquirir suas frutas preferidas: “Já comprei a preços bem razoáveis caju e seriguela, que são minhas frutas preferidas. Passando por aqui não pude deixar de comprar”, fala. Para Ana Macêdo, coordenadora de segurança alimentar da Semtcas, o evento vem para apresentar a população, alternativas de conquistar uma vida saudável. “Essas atividades vêm para mobilizar a população, que muitas vezes, deixam de lado a qualidade de vida, por comodismo. A ação é para incentivar o consumo de refeições mais saudáveis e ainda os devidos cuidados com a saúde. Segundo Delsiana Arrais, coordenadora do Núcleo Ambiental da Semam, o trabalho que envolve a população põe em destaque o projeto “Teresina mais Verde”, que promove distribuição de mudas.

“Foram mais de 400 mudas frutíferas doadas, como tamarindo, acerola e até limão. Essa ação é uma parceria com as SDUs, onde incentivamos a plantação de mudas. Até porque o nosso papel é cuidar do meio ambiente e Teresina requer um tratamento especial, já que possui altas temperaturas”, pontua. A iniciativa é da Fundação Municipal de Saúde (FMS), com o apoio da Semtcas, Semam, Ong Fazenda da Paz e de universidades públicas e privadas.

Agricultores vendem alimentos naturais

O Dia Mundial da Alimentação é uma ótima oportunidade dos agricultores familiares da zona rural de Teresina, apresentar seus produtos a sociedade e ainda vender a preços justos. Foram comercializados frutas, verduras, bolos, leite, queijo e doces. A ação aconteceu nesta sexta-feira, (16), no pátio da Secretaria de Saúde do Estado (Sesapi), onde servidores públicos compraram, diretamente, frutas, legumes e verduras de quem realmente produz.

Quem conseguiu vender mais de 95% de seus produtos foi Livramento Cunha, agricultora da comunidade do município de José de Freitas, que produz o quiabo, chuchu, queijo e leite. Para a agricultora, a iniciativa é uma forma de incentivar e facilitar a comercialização dos produtos, sem a intervenção de atravessadores.

“Já vendi quase todos os meus produtos. Quando vendemos aos atravessadores, eles compram bem baixo do mercado e revendem a preços elevados. Então, o evento é uma forma de mostrar aos demais agricultores, o valor real dos nossos produtos e também a população, que vai poder aproveitar os produtos saudáveis e a preços justos”, ressalta.

Na ocasião, os servidores públicos tiveram a oportunidade de receber, por meio de profissionais da saúde, avaliação nutricional, medição da pressão e da taxa glicêmica, verificação do IMC e ainda compra de alimentos sem agrotóxicos cultivados na zona rural da capital. Para Vera Cavalcante, coordenadora da Saúde do Trabalhador da Sesapi, a ação vem para valorizar a produção e o consumo de alimentos saudáveis.

“Queremos incentivar o consumo de alimentos saudáveis e sem agrotóxicos. Muitos estão aproveitando esse espaço para vender seus produtos da terra e o público que passa por aqui, aprender a ter uma vida mais saudável”, destaca.

O evento foi promovido pela Secretaria de Saúde do Estado (Sesapi), em parceria com Senac, SDR, cooperativas da Agricultura Familiar e de faculdades públicas e particulares.

Fonte: Lindalva Miranda e Márcia Gabriele