Atropelada por ex-árbitro Godói, fica sem amamentar seu filho

Atropelamento aconteceu no sábado (24), em Franco da Rocha

A estudante Carolina Rodrigues, de 18 anos, que foi atropelada pelo ex-árbitro Oscar Roberto de Godói, parou de amamentar a filha desde o acidente, que aconteceu no sábado (24), em Franco da Rocha, na Grande São Paulo. Ela não teve nenhuma fratura, mas sente muitas dores no corpo e não consegue pegar no colo a bebê de apenas 6 meses.

?Não consigo mais amamentá-la. É muito triste. Faz duas noites que eu não fico com ela, tadinha. Dá dó vê-la assim tão pequenininha e não poder amamentar?, afirmou. Segundo a avó, Beth Rodrigues, de 42 anos, a criança tem estranhado a mamadeira, que foi introduzida de forma abrupta em sua dieta.



Desde sábado, Carolina não consegue dormir. ?Eu deito de barriga para cima. Às vezes, viro a cabeça por impulso, mas não aguento a dor. Está tudo inchado.? Ela está usando colete cervical e tem dificuldades para andar e se arrumar. É o marido quem a ajuda a arrumar o cabelo. Nesta segunda, Carolina, estudante do último ano do ensino médio, passou por exames de corpo de delito.

Quando foi atropelada, no sábado, Carolina ia fazer compras no centro comercial de Franco da Rocha. Ela estava na companhia da mãe e do marido, Rogério Santos de Oliveira, de 32 anos. ?Já tinha praticamente atravessado [a rua]. Estava a dois passos de chegar à calçada quando o carro me atropelou.?

Por pouco, a criança não estava no seu colo no momento do atropelamento. Quando iam atravessar a rua, o pai da bebê pediu para carregá-la. ?Eu deixei ele passear um pouquinho com a bebê. Ela está pesada demais. Estava com o braço doendo. Já pensou se eu estivesse com ela no colo??, questionou.

?Nem sabia que ele existia?

Ao site, Godói negou estar bêbado no momento do acidente. No entanto, afirmou à polícia que havia ingerido bebida alcoólica. Para a família, não há dúvida de que ele estava bêbado. "Bêbado é pouco", disse a mãe. "No hospital, os advogados tinham que ajudá-lo a andar", disse Carolina.

Godói não fez o teste do bafômetro, mas, posteriormente, autorizou a retirada de sangue para ser analisado. "Disseram no hospital que ele tomou glicose na veia antes de fazer o exame de sangue", disse a mãe. Ainda de acordo com a Beth, o ex-árbitro entrou em contato duas vezes com a família. ?Ele reconhece que errou e disse que quer pagar nossas despesas independente de a gente entrar na Justiça?, disse a mãe.

Antes do acidente, Carolina não conhecia Godói. ?Nunca tinha visto na minha vida, nem sabia que ele existia?. Porém, ela teme que, pelo fato de ser uma pessoa pública, ele não seja punido. ?Quando soube que ele era juiz, eu pensei: ?Ele vai se dar bem, quem tem dinheiro se livra fácil??, afirmou Carolina.

Fonte: G1