Auditores pedem exoneração de cargos de chefia e coordenação

Cerca de 12 cargos de confiança e chefia foram entregues

Conforme orientação do Sindifisco Nacional (Sindicato Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal), os auditores fiscais da Superintendência Regional do Trabalho e Emprego do Piauí pediram exoneração dos cargos de chefia e coordenação de projetos do órgão. O ato de pedido de afastamento das funções ocorreu ontem (11) no prédio da Superintendência.

Segundo a auditora fiscal, Flávia Lopes, a gota d'água para a deflagração do movimento no Estado foi a aprovação em primeira votação pela Câmara dos Deputados da Proposta de Emenda Constitucional 443/09, que vincula o subsídio dos advogados da Advocacia-Geral da União (AGU) a 90,25% do vencimento dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF).

De acordo com o texto, o salário em final de carreira do advogado-geral da União passa de R$ 22.516,94 para R$ 30.471,10. O ato do Sindifisco é um protesto pela rejeição à emenda aglutinativa que incluía os auditores fiscais entre as carreiras de Estado contemplada pela PEC.

"Estamos reivindicando que o Governo Federal olhe para nós. Está havendo um desmonte da fiscalização do trabalho. Incluíram os advogados da AGU e delegados da Polícia Federal como carreiras típicas do Estado e esqueceram da categoria do fisco federal", reclama Flávia Lopes.

Cerca de 12 cargos de confiança e chefia foram entregues pelos servidores. Com isso, projetos importantes como fiscalização de trabalho infantil e segurança e combate à informalidade estão paralisados.

A reivindicação da categoria não está relacionada apenas à remuneração e envolve outros pontos que diz respeito à melhoria das condições de trabalho.

Segundo Flávia Lopes, estão lotados 45 auditores fiscais na Superintendência do Trabalho e Emprego do Piauí para fiscalizar postos de emprego nos 224 municípios piauienses. "As condições materiais também não são favoráveis.

Fiscalizações estão impedidas de ocorrer no interior do Piauí por falta de repasse de verbas", conta a auditora.

O documento formal de requisição de exoneração dos cargos de chefia e coordenação foi entregue para a superintendente regional do Trabalho, Paula Mazulo. Em reunião com a categoria, ela se comprometeu em encaminhar as reivindicações ao Ministério do Trabalho e Emprego.

Fonte: Virgínia Santos e Izabella Pimentel