Bazar venderá móveis e objetos do ex-político Clodovil morto em 2009

Bazar venderá móveis e objetos do ex-político Clodovil morto em 2009

Peças variam de R$ 30 a R$ 27 mil; baú da Louis Vuitton é item mais caro

Três anos após a morte de Clodovil Hernandes, parte de seus bens que estavam no apartamento funcional quando era político em Brasília começará ser vendida neste domingo (14) num bazar na região dos Jardins, área nobre de São Paulo. Entre os cerca de 150 itens à venda estão um baú da Louis Vuitton, avaliado em R$ 27 mil, e um tanque de lavar roupa no valor de R$ 30. O evento é aberto ao público interessado que fizer sua inscrição por telefone ou e-mail.

Por decisão da Justiça, o dinheiro das vendas será usado para ajudar a pagar dívidas do espólio do deputado federal e estilista. O valor que sobrar será destinado à criação e construção de uma fundação para meninas carentes, um dos últimos desejos do político antes de morrer na capital federal em decorrência de um acidente vascular cerebral (AVC), aos 71 anos, em 17 de março de 2009. Ele foi sepultado no cemitério do Morumbi, na Zona Sul de São Paulo.

Outros objetos pessoais de Clodovil que serão vendidos são sua cama de casal, um móvel baú de Bali, mesas de jantar com cadeiras, quadros, livros com dedicatórias, CDs e DVDs autografados, jogo de jantar e toalhas de banho com as iniciais dele, jogo de café para 40 a 50 pessoas, panelas WMF e Le Creuset, cafeteiras italianas, sofás, poltronas, móveis para varanda, desenhos inacabados, lápis de cor, bebidas, eletrodomésticos, pias para banheiros, banheira, um ofurô canino, utensílios de cozinha, cristais, porcelanas, escuturas, como, por exemplo, lagartos de bronze, e enfeites em geral.

O bazar será realizado na Alameda Gabriel Monteiro da Silva, 2.586, no Jardim América, e estará aberto das 10h às 17h30, e também deverá ser aberto na segunda-feira (17), no mesmo horário e local. Mais informações podem ser adquiridas no site do bazar.

Aproximadamente 200 pessoas já ligaram interessadas em ir ao bazar, segundo a advogada Maria Hebe Pereira de Queiroz, indicada por Clodovil para cuidar dos seus bens. ?A expectativa é apurar entre R$ 100 mil a R$ 150 mil com as vendas do bazar?, disse. Neste ano, um leilão com bens de Clodovil conseguiu mais de R$ 370 mil.

Carreira política

O deputado, que estava em seu primeiro mandato, ingressou no PR em setembro de 2007, quando deixou o PTC. Ele foi acusado de infidelidade partidária e absolvido, na última quinta-feira (12) pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Em votação unânime, os ministros entenderam que o parlamentar não desrespeitou a legislação eleitoral ao deixar o PTC.

Em 2006, ele foi eleito deputado federal por 493.951 votos, terceira maior votação do estado de São Paulo, para a legislatura de 2007 a 2011.

Biografia

Nascido em 17 de junho de 1937, em Elisário, cidade a 402 km de São Paulo, Clodovil foi adotado por um casal de origem espanhola, Domingos Hernandes e Izabel Sanches Hernandes. Não conheceu seus pais verdadeiros e estudou em colégio interno. Homossexual assumido, não casou e nem teve filhos.

Antes de ingressar na política, Clodovil foi professor primário, fez teatro, construiu longa carreira na televisão e foi estilista de sucesso.

Um de seus primeiros trabalhos na televisão foi no início da década de 80, quando apresentou o "TV Mulher", da TV Globo, voltado para o público feminino. Na época, dava dicas de moda e desenhava modelos ao vivo. Ele dividiu o cenário com a jornalista Marília Gabriela e com a sexóloga Marta Suplicy, que também ainda não tinha entrado para a política.

Fonte: G1