Brasil é o quarto país com vítimas de crimes virtuais, de acordo com AFCC

Para especialista, legislação ainda está aquém do esperado

Você já parou para pensar que tipo de informações você põe na internet? Nome, endereço, telefone, senhas de cartões ou e-mail, fotos, vídeos, arquivos de textos e tantos outros conteúdos muitas vezes são publicados de maneira inocente e espontânea. Esses dados trazem conteúdo, muitas vezes, cobiçados por fraudadores.

O relatório de fraude a RSA Anti-Fraud Command Center (AFCC), divisão de segurança da EMC2 Corporation, constatou que o Brasil está na lista dos cinco países ? ocupando a quarta colocação ? que mais tiveram corporações vítimas de fraudes digitais no mundo. Segundo a RSA, 4% dos ataques de phishing (fraude eletrônica) no mundo foram destinados a empresas daqui, ficando atrás apenas dos Estados Unidos (28%), do Reino Unido (13%) e da Índia (7%). Esses dados revelam uma tendência nada positiva: o crescimento do roubo de identidade, muitas vezes facilitado pelo comportamento de alto risco dos usuários da internet.

Segundo o professor do Centro de Informática (CIn) da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), Ruy Guerra, uma vez que os dados estão na internet, não há mais como apagá-los. ?Existe a possibilidade de ocultar a informação, mas não deletar. Por isso, a única forma de evitar a exposição é não fornecer as informações?, alerta.

Fonte: Correio Web