Brasileiro denuncia extorsão e farsa da polícia em Punta del Este, Uruguai

Brasileiro denuncia extorsão e farsa da polícia em Punta del Este, Uruguai

Após acidente de trânsito, polícia deteve turista e o obrigou a pagar R$ 40 mil para ser liberado

Um turista brasileiro denunciou que em Punta del Este (Uruguai) existe uma "indústria da extorsão", depois que a polícia o deteve após um acidente de trânsito e o obrigou a pagar pouco mais de R$ 40 mil (US$ 20 mil) para ser liberado, informa neste sábado (28) a imprensa local.

Segundo reportagem do jornal "El País", o advogado Sergio Veronese denunciou às autoridades do Consulado Geral do Uruguai, em Florianópolis (SC) o "inferno" vivido pelo turista brasileiro e sua família em Punta del Este, onde foi "massacrado, roubado, extorquido e destruído psicologicamente".

A história do turista, que segundo o cônsul uruguaio em Florianópolis Gerardo Vibrante tem "tom de seriedade", começou em 18 de dezembro, quando o carro que Veronese dirigia bateu em uma moto em uma estrada em Maldonado, o departamento uruguaio onde fica Punta del Este.

Segundo o boletim policial, o motorista da moto ficou gravemente ferido. Em um primeiro momento, o turista denunciou que a polícia, apesar de a moto estar "sem luzes", o orientou a assumir a culpa do acidente porque seu carro possuía seguro e, segundo disseram, isso o "livraria rapidamente do problema". Veronese aceitou e foi até a delegacia mais próxima apresentar seus documentos. Lá, o brasileiro descobriu que não poderia sair do lugar até que a justiça deliberasse sobre a vítima e que precisaria esperar para ver "se alguém apresentava uma denúncia policial".

Aparentemente, um "suposto familiar" da vítima apresentou a denúncia contra ele e lhe informou que precisaria esperar um dia até que tivesse uma audiência com o juiz e que por isso ficaria detido e incomunicável para que não pudesse escapar do país.

? Não é necessário ser um gênio para imaginar o terror a que fui submetido. Durante a noite, o único contato que tive foi com policiais que me entregavam números de telefones de advogados no caso de eu precisar.

No dia seguinte, Veronese foi levado até o juiz e lhe ofereceram um defensor público que, segundo ele, nunca apareceu. No entanto, se apresentou um advogado que disse ter sido contratado por sua família e que lhe disse que a única solução era chegar a um acordo com a família da vítima ou ficar preso por tempo indeterminado até que um juiz tomasse uma decisão.

Esse advogado, além disso, entrou em contato com a família do turista para lhes dizer que tinha sido contratado por ele para negociar em seu nome com todos os poderes. Assim, uma das condições apresentadas foi pagar R$ 20 mil (US$ 10 mil) à família da vítima do acidente e outros R$ 20 mil para o suposto advogado.

Como não tinham o dinheiro, o brasileiro propôs deixar seu carro como garantia após uma longa negociação em um escritório judicial. Finalmente, a polícia aceitou o trato e, após assinar um acordo, o turista foi liberado.

Ao chegar a seu hotel, Veronese descobriu que sua mulher nunca havia entrado em contato com qualquer advogado uruguaio. O turista disse que denunciará formalmente o caso perante ao Itamaraty e à Ordem dos Advogados do Brasil.

Fonte: R7, www.r7.com