Brincadeira com figurinhas da Copa do Mundo vira "febre" nas escolas

Brincadeira com figurinhas da Copa do Mundo vira "febre" nas escolas

Até professores aderiram à moda de colecionar

As figurinhas do álbum da Copa do Mundo da África do Sul arrebataram colecionadores de todas as idades e resgataram uma brincadeira esquecida nas escolas, a de "bater bafo." A regra é: com a mão em forma de concha, o jogador bate no monte de cromos e fica com os que conseguir virar. A poucos dias do início do mundial, os colecionadores aceleram a frequência das "batidas" e das trocas para completar os 638 cromos da coleção.

Alexandre Ignarro Elias, de 7 anos, aluno do 2º ano do Colégio Sion, só precisa de 40 figurinhas para completar o álbum. Segundo ele, a melhor forma de conquistá-las é ?batendo bafo.? O garoto garante que não perde uma disputa e mostra habilidade ao bater um monte e virar muitas ao mesmo tempo. O treino é feito em casa. ?Meu pai e meu irmão de 19 anos me ensinaram e eu já ganhei várias.?

Francisco Feola Pereira, de 10 anos, também quer terminar a coleção em breve, trocando e "batendo" cromos com colegas e familiares. O garoto diz que seu monte de figurinhas repetidas já tem mais de 30 centímetros ? fruto do investimento diário em pelo menos seis pacotinhos (cada um vem com cinco unidades). ?Pelo menos as dos escudos dos times eu já consegui todas."

As meninas também entraram na brincadeira e provam que futebol não é só para eles. Manuela Sabino Costa, de 8 anos, também "bate" figurinhas, mas confessa que este não é o seu forte. "Não sou boa e perco muitas de uma só vez, por isso prefiro trocar. Acho que só vou conseguir completar meu álbum lá para o meio da Copa."

No Colégio Sion, em São Paulo, até os professores aderiram à moda de colecionar, "bater" e trocar. ?Acho muito estimulante e saudável. Na classe nunca tive problemas e acho que eles cooperam mais pelo fato de eu ter o álbum?, diz Valéria Cristina Padial, de 44 anos, professora de inglês, que monta o álbum em parceria com a filha de 18 anos.

Fonte: g1, www.g1.com.br