Câmara aprova licença-maternidade obrigatória

Projeto segue agora ao plenário da Câmara e depois ao Senado

Gastos com ampliação podem chegar a R$ 1,69 bilhão, diz relatora. Foi aprovada nesta quarta-feira (10) por uma comissão especial na Câmara uma Proposta de Emenda Constitucional (PEC) que torna obrigatória a licença-maternidade de seis meses. O projeto segue agora para o plenário da Câmara e terá de tramitar ainda pelo Senado antes de entrar em vigor.

O objetivo é substituir o modelo atual em que a extensão da licença de quatro para seis meses é opcional. O relatório da deputada Rita Camata (PSDB-ES) estima que os gastos com a ampliação obrigatória da licença-maternidade seriam de R$ 1,69 bilhão por ano. O benefício passaria ainda a ser concedido a mães adotivas.

A PEC também aumenta o período de estabilidade das mães nos empregos. Atualmente, o período de estabilidade vai até cinco meses após o parto. A proposta é prorrogar para sete meses.

Fonte: g1, www.g1.com.br