Campanha tenta ajudar cão que foi mutilado e vendido como fêmea

A campanha já arrecadou R$ 15 mil para o tratamento do animal

O cãozinho Tião foi mutilado para ser vendido como uma fêmea, pela internet, em São Paulo. E, depois de quase morrer por não conseguir fazer xixi, uma onda de solidariedade se formou para ajudá-lo a se recuperar, chegando a arrecadar R$ 15 mil para o tratamento. O animalzinho foi comprado como fêmea, mas a proprietária ficou preocupada com ele, que não comia e só chorava. Foi então que uma amiga dela identificou que, na verdade, era um macho que teve o prepúcio cortado.

O animal foi levado para a clínica veterinária Clubinho do Pet e, após passar por duas cirurgias, ele se recupera e brinca como qualquer filhotinho de 50 dias. A mulher que comprou o cachorro pela internet pagou R$ 350, mas doou o animal para os veterinários porque ele agora precisará de cuidados intensivos.

— O cachorro estava desidratado e hipoglicêmico porque não conseguia fazer xixi. Ele foi operado e depois ficou na UTI. Um outro cirurgião reconstituiu o prepúcio, mas a cirurgia não deu muito certo porque casos assim são raros. Agora o médico está esperando para fazer a nova cirurgia. Tirando o fato de que ele precisa ficar com o pênis protegido, ele é um cachorro feliz — explica a adestradora Andrea Behmer, sócia do Clubinho do Pet.


Cãozinho Tião
Cãozinho Tião

Um doador anônimo pagou a primeira cirurgia do animal. Em seguida, uma campanha na internet foi criada por funcionários da clínica para pagar os custos do tratamento, que é experimental pois os veterinários nunca tinham cuidado de um caso como o de Tião. Todo o procedimento é difícil porque o pênis dele ficou exposto, sem a proteção do prepúcio, podendo causar um machucado.

— É um tratamento muito delicado e demorado. Precisávamos acordar de 2h em 2h para dar comida e incentivá-lo a fazer xixi e evacuar. Foi a primeira vez que vi algo assim, mas parece que a pessoa (que vendeu o cachorro) está habituada a isso porque ela desapareceu depois da venda— contou Andrea.

Agora, o cachorrinho virou praticamente uma celebridade canina e tem milhares de pessoas querendo adotá-lo. O filho, no entanto, continuará na clínica. Vale lembrar que, para quem deseja um cãozinho, o ideal é recorrer à adoção. Mas no caso da compra, é importante pesquisar sobre o canil e a raça escolhida.

— O ideal é sempre adotar, mas se alguém quiser comprar porque tem uma paixão por uma raça, deve conversar com outros proprietários, visitar canis e verificar as condições de saúde e higiene — orientou Andrea.


Fonte: extra