Campanha “Viva. Não mate, nem morra” quer reduzir mortes

É promovida pelo Governo do Estado do Piauí

O lançamento da campanha educativa, que tem como tema “Viva. Não mate, nem morra”, ocorreu na manhã de sexta-feira, 26, na quadra da Unidade Escolar José Amável, zona Leste. E a primeira mobilização já está prevista para acontecer segunda-feira, 29, das 7h às 9h, com educadores da Escola Piauiense de Trânsito (EPT), realizando uma blitz educativa no cruzamento das Avenidas Nossa Senhora de Fátima e Jóquei Clube, zona Leste da cidade.

A campanha, que tem a duração de um ano, visa promover a paz no trânsito. É promovida pelo Governo do Estado do Piauí, através do Departamento Estadual de Trânsito (Detran), e com o apoio do Sistema Integrado de Comunicação Meio Norte. De acordo com Arão Lobão, diretor-geral do Detran, a campanha tem o intuito de reduzir os acidentes de trânsito e mortes no trânsito.

“Nós vivemos, hoje, em meio a um trânsito conturbado, que precisa de mais atenção do setor público e das pessoas que usam esse sistema. Então, pretendemos minimizar os acidentes de trânsito e os altos índices de acidentados. E essa ação de educação no trânsito faz parte de um conjunto de medidas que vem sendo adotadas para diminuir os acidentes, consequentemente, as mortes no trânsito e dos sequelados do trânsito”, esclarece o diretor do Detran.

Para Jeovanna Moura, diretora da Escola de Trânsito do Piauí, as ações da campanha não têm caráter punitivo, pelo contrário, a intenção é conscientizar os condutores e a sociedade em geral a dirigir com segurança e a respeitar as leis de trânsito. “Na verdade, a gente precisa ser multiplicador, não adianta eu estar dentro dos padrões, ser uma motorista prudente e o outro não ser. Nesse caso estou vulnerável. Então a gente precisa de uma conscientização coletiva cada um tem sua parte no trânsito. Utilizando a educação, não necessariamente as mudanças que pretendemos devem partir através de fiscalização ou de punição, mas sim de conscientização e respeito às leis e ao próximo”, ressalta a diretora da ETP.

Sobre o lançamento da campanha “Viva. Não mate, nem morra”, a diretora da Escola Professor José Amável, Rosângela Veras, fala dos benefícios desta alcançar o público jovem nas escolas públicas do Estado. “É um presente receber essa campanha, porque nós temos o papel de transmitir conhecimentos. É preciso que essas ações positivas tenham maior visibilidade. Porque vemos nos jornais acidentes e mais acidentes. E quando colocamos um outro lado, falando de vida, acreditamos que os resultados serão bem mais proveitosos”, indica Rosângela Veras.

Jovens abraçam campanha e querem conscientização.

Olhos atentos e participativos, eram assim que estavam os alunos da Unidade Escolar Professor José Amável, na zona Leste de Teresina. Apesar de ainda não terem suas carteiras de habilitações, os alunos acreditam que é importante a promoção da campanha e ações educativas para a construção de seus conhecimentos e respeito do trânsito.

Segundo Chelsea Dayse, aluna do 3ª ano do Ensino médio, as mobilizações de educação no trânsito são necessárias nas escolas, pelo fato de muitos jovens estarem tirando suas carteiras de habilitação.

“Sabemos que os jovens têm grande participação no trânsito. Vemos que a cada dia mais os jovens tiram a carteira. Realmente, como somos a maioria, fica mais fácil nos conscientizarmos e conscientizar outras pessoas. E também praticar isso, porque seremos os futuros condutores”, destaca a estudante.

Quem também está consciente da educação no trânsito é a estudante Ana Carolina, do 2ª ano do Ensino Médio. Ela afirma que se a sociedade se conscientizar, haverá melhorias no desempenho de cada um no trânsito. “Essa campanha serve de exemplo para as pessoas terem consciência e para que a gente se conscientize de que deve dirigir com cuidado, pensando não só na gente, mas nos outros também. A gente observa condutores jovens e adultos cometendo imprudências, sem o cinto de segurança e em alta velocidade. As pessoas devem se lembrar de que se a gente se conscientizar, terá uma vida no trânsito melhor”, afirma a estudante.


Image title

Image title

Image title

Fonte: Pollyana Carvalho e Márcia Grabriele