Carro do jogador Kleberson é apreendido em operação policial

Em todo o país, os policiais cumprem 22 mandados de prisão e 119 de busca e apreensão


Carro do jogador Kleberson é apreendido em operação da po
O automóvel do jogador Kleberson, do Clube Atlético Paranaense, foi um dos itens apreendidos nesta sexta-feira durante a operação Black Ops da Polícia Federal, que desarticulou uma quadrilha envolvida em várias operações criminosas, entre elas, a importação ilegal de veículos de luxo. De acordo com boletim divulgado pela Polícia Federal, não há indícios de envolvimento do atleta nos crimes.

O mandado de apreensão do Jeep Hummer de Kleberson, que já jogou na seleção brasileira, foi cumprido por volta das 6h na casa do jogador. Segundo assessoria de imprensa da PF, Kleberson mostrou "boa-fé", atendendo cordialmente os policiais e se colocando à disposição para quaisquer esclarecimentos. Kleberson disse que comprou o veículo usado por R$ 200 mil. Segundo os policiais que cumpriram o mandado, o jogador disse desconhecer a procedência do veículo.

A operação Black Ops foi realizada em 14 estados e no Distrito Federal para desarticular uma organização criminosa transnacional formada por integrantes da máfia israelense. Segundo a PF, as atividades ilegais incluíam, ainda, a exploração de máquinas caça-níquel, contrabando, comércio ilegal de pedras preciosas e outros crimes.

Segundo a PF, os membros da máfia israelense integram uma grande organização conhecida como "Abergil Family" que está envolvida em esquemas ilícitos em diversos países, como agiotagem, prostituição, jogo ilegal e tráfico de drogas.

Em todo o país, os policiais cumprem 22 mandados de prisão e 119 de busca e apreensão. Além disso, será realizado bloqueio de bens com valor total que pode chegar a R$ 50 milhões.

Os suspeitos responderão pelos crimes de contrabando e comércio ilegal de pedras preciosas, crime contra a economia popular, formação de quadrilha, crimes contra ordem tributária, lavagem de capitais, evasão de divisas, e outros delitos, estando sujeitos, de acordo com a participação, a penas de até; 10 anos de prisão, podendo ser acumuladas várias penas. A investigação contou com o apoio externo de agências de inteligência de Israel, da Inglaterra e dos Estados Unidos.

Nem o jogador, nem o Clube Atlético Paranaense comentaram, até às 14h20 desta sexta-feira, a apreensão. Kleberson não está treinando com o grupo do Atlético por estar entregue ao departamento médico, com uma luxação no ombro. Segundo a assessoria de imprensa do clube, Kleberson se apresentou normalmente no período da manhã, fez seu tratamento e, à tarde, foi liberado para resolver problemas pessoais. O jogador deve prestar depoimento ainda nesta sexta-feira.

Fonte: Terra, www.terra.com.br