Carros e arquibancadas continuam na avenida Marechal mesmo após carnaval

Diariamente, centenas de teresinenses utilizam a via para a prática de atividades esportivas e são diretamente afetados pela estrutura.

Ainda restam traços de Carnaval ao longo da Avenida Marechal Castelo Branco. Após os desfiles das escolas de samba na avenida, durante a última terça-feira (17), alguns carros alegóricos continuam estacionados ao longo da via e as arquibancadas, que acomodaram os espectadores durante o evento, não foram completamente desmontadas.

Os equipamentos bloqueiam as ciclofaixas e ocupam vagas de estacionamento, causando transtorno em uma área com bastante fluxo de veículos, que abriga entidades como Assembleia Legislativa do Piauí, Shopping da Natureza e Câmara Municipal de Teresina.

Cientes do caso, a Prefeitura de Teresina já deveria ter finalizado o desmonte das arquibancadas e as agremiações tinham a incumbência de retirar os carros alegóricos até a meia-noite de quinta-feira (19), mas até o fechamento desta edição eles permaneciam ocupando a via pública.

O abandono destes equipamentos causa uma série de transtornos para quem transita pelo local. Diariamente, centenas de teresinenses utilizam a via para a prática de atividades esportivas e são diretamente afetados pela estrutura.

As arquibancadas são montadas com estruturas de metal e acumulam água parada entre os sulcos, apresentando risco de contaminação por dengue. A área ao redor está repleta de confetes, garrafas, talheres, plásticos, borrachas e carece de limpeza.

As pessoas que usam a avenida para praticar esporte precisam se desviar da estrutura em desmonte e da sujeira, que ainda não foi completamente retirada.

Já os cidadãos que trabalham na redondeza ou que utilizam as floriculturas do Shopping da Natureza encontram dificuldades para estacionar seus veículos.

E o prejuízo já pode ser sentido no bolso dos empreendedores. Diversas floristas se queixam que o movimento caiu bastante após o fim do Carnaval, pois os condutores que não conseguem estacionar simplesmente desistem da compra e se dirigem ao outro lado do Rio Poti, que também hospeda quiosques do gênero.

"Estamos perdendo dinheiro. Se já estava difícil conseguir clientes, agora ficou pior. Com essa quantidade de carros alegóricos estacionados por aqui, sobram menos vagas de estacionamento. E no fim das contas quem se prejudica é o cidadão que trabalha duro e de forma honesta", desabafa a florista Naira Talita Araújo.

"E pelo visto não há previsão para virem buscar. O Carnaval já acabou, mas um pedaço da festa continua aqui. Neste período de chuvas muito se fala em dengue, mas as arquibancadas estão ali acumulando água.

Para estacionar é uma novela, a gente bota o carro quase no meio da avenida e corre o risco de encontrar o carro avariado quando voltar", denuncia um funcionário da Assembleia Legislativa que preferiu não ser identificado. Quanto a este problema, a Prefeitura de Teresina já iniciou o processo de retirada das arquibancadas.

Sobre os carros alegóricos que continuam estacionados na Avenida Marechal Castelo Branco, a Fundação Municipal de Cultura Monsenhor Chaves, através de sua assessoria, informa que o atraso na retirada dos veículos das escolas de samba é de total responsabilidade da diretoria das agremiações.

A Fundação orientou os participantes no sentido de garantir que todos os veículos fossem retirados do local até dois dias após o desfile. O prazo foi encerrado na meia-noite de quinta-feira (19), e a escola que não cumprir a determinação poderá ter ser carro rebocado e sofrer punições previstas na lei, como aplicação de multas e reboque do carro.

Fonte: Olegário Borges