Banco do Brasil prevê liberar R$ 3,1 bi para setor automotivo

Ministro afirmou que pacote de apoio não compromete o ajuste fiscal

O Banco do Brasil anunciou nesta quarta-feira (19/08) que antecipará a fornecedores da cadeia automotiva R$ 3,1 bilhões até o final deste ano no âmbito do protocolo firmado com o segmento e que contempla 26 empresas.

Além disso, a instituição anunciou ainda que, a partir da ampliação de acordos do gênero, pretende alcançar 500 empresas com desembolso de aproximadamente R$ 9 bilhões de diversos setores produtivos como cooperativas, incorporadoras e grandes empresas exportadoras.

A ideia é liberar crédito a "uma ampla gama de setores produtivos" afetados pela contração econômica. O Ministro Joaquim Levy afirmou hoje que o pacote de apoio não compromete o ajuste fiscal. Às 12h47, as ações do BB eram as mais afetadas, caíam 4,89%.

No setor automotivo, o protocolo conta com o empenho da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), da Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave) e do Sindicato Nacional da Indústria de Componentes para Veículos Automotores (Sindipeças) na intermediação de acordos de cooperação financeira e comercial entre o BB e associadas.

Segundo o banco, o risco de crédito dessas operações de antecipação de recursos são reduzidos por meio de compromissos assumidos pelas empresas âncoras, permitindo que as condições e taxas para empresas do início da cadeia produtiva tenham vantagens semelhantes.

O BB anunciou ainda que vai lançar um modelo de relacionamento com revendas de máquinas, equipamentos agrícolas e caminhões. Com apoio da Anfavea e da Fenabrave, a meta do BB é cadastrar até o final deste ano mais de mil das 1.169 revendedoras do país. No piloto, o prazo de liberação de financiamentos reduziu de 67 para 14 dias.

O presidente da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), Luiz Moan, afirmou que as medidas do pacote de apoio financeiro do Banco do Brasil ao setor automotivo estão em linha com as diretrizes do ajuste fiscal realizado pelo governo.

"Entendemos como extremamente necessário o ajuste macroeconômico, como fundamental", afirmou. Moan ressaltou que o acordo celebrado com BB e com a Caixa "demonstra o grau de importância da cadeia automotiva para a retomada da economia brasileira". "A cadeia corresponde a 12% de toda a arrecadação de impostos do país, além de gerar 5 milhões de empregos diretos", disse. Moan avaliou que o fortalecimento da cadeia automotiva é o fator que ajudará o setor a abreviar o atual momento de dificuldade da economia brasileira. "A cadeia automotiva vive um momento muito difícil, mas não tenho dúvidas de que é apenas um momento", disse. Moan destacou que as associações, maiores players do setor, aparecerão nos contratos como uma espécie de fiadores, o que minimiza o risco do negócio para o BB.

"A diminuição do risco permite ao Banco do Brasil diminuir o spread das operações", destacou.Alexandre Abreu, presidente do BB, afirmou, que as soluções anunciadas hoje não vão resolver (o problema), mas são uma boa ajuda ao segmento que enfrenta queda de vendas de veículos e maior restrição de crédito. "O momento é bastante desafiador, com queda na atividade econômica. Normalmente, a concessão de crédito (em um cenário como o atual) fica mais complexa em meio a empresas com situação mais difícil", avaliou.Segundo Abreu, em um cenário como o atual se o banco retrai muito o crédito agrava o problema, mas se fornece recursos como se o País estivesse crescendo, arrisca em demasia o seu capital.

"O BB já vinha estudando estratégia intermediária. Ao nos juntarmos com atores líderes do segmento, com informações técnicas e dimensionar risco, conseguimos transferir para o setor produtivo o ganho de diminuição risco por meio de melhoria de limites e redução de taxas", explicou ele. "As taxas são de mercado e não há subsídio", acrescentou. O executivo ressaltou que a solução com o setor automotivo é lucrativa e que o banco precisa dar retorno aos seus acionistas.

O ministro da Fazenda, Joaquim Levy, saiu em defesa das novas linhas de crédito abertas pelos bancos públicos Banco do Brasil e Caixa Econômica Federal ao setor automotivo, argumentando que elas têm perfil comercial e não vão afetar o ajuste fiscal em curso. "São linhas de mercado... É uma operação mais comercial, na qual a gente apóia os fornecedores usando a própria qualidade de crédito das montadoras", afirmou o ministro a jornalistas nesta quarta-feira, após participar de evento no Rio de Janeiro. "Não compromete o ajuste (fiscal), é uma operação de mercado que, na verdade, pressupõe compromisso das montadoras", argumentou o ministro. "Você está levando em conta a força e a qualidade de crédito dessas companhias. É um arranjo que os bancos fazem todos os dias", insistiu. Na terça-feira (18/08), a Caixa Econômica Federal também firmou convênio com a Anfavea, o Sindipeças e a Fenabrave para apoiar o setor automotivo.

A expectativa do banco é liberar aproximadamente R$ 5 bilhões até o fim de 2015 em linhas de capital de giro e de investimento com juros mais baixos e prazos maiores às empresas do segmento.Novamente, o governo recorre aos bancos públicos para impulsionar a economia. Desta vez, porém, a oferta está centrada nos fabricantes, ou seja, na cadeia produtiva, e não nos consumidores. Após o excesso de oferta em 2010, alguns bancos passaram a restringir a liberação de recursos para a compra de veículos em meio ao estrago que as linhas sem entrada e de 90 meses geraram nos calotes. As condições hoje são muito mais rigorosas, incluindo maior entrada e menor prazo.Ao final de junho, o BB somava carteira de crédito a veículos (pessoa física) de R$ 31,9 bilhões, cifra 1,3% menor ante março e 3,9% inferior na comparação anual. O banco que mais tem restringido o crédito para a compra de veículos é o Itaú.

A instituição, que chegou a ter uma carteira de R$ 60 bilhões no passado, encerrou junho com montante de R$ 23,8 bilhões, volume 9,7% menor ante março e recuo de 30,2% em um ano.No Bradesco, as quedas foram de 3,3% e 8,2%, respectivamente, para R$ 23,2 bilhões. Apesar disso, firmou, em julho último, acordo com a FCA Fiat Chrysler Automóveis Brasil (FCA Brasil) e o banco Fidis para ter exclusividade em financiamentos de marcas da fabricante e espera ter uma carteira de R$ 2 bilhões em dois anos. A instituição vai dar crédito para vendas das marcas Jeep, Chrysler, Dodge e RAM por dez anos.O Santander acompanha seus pares privados e reduziu sua carteira de crédito a veículos em 4,1% em doze meses, e de 3,2% no segundo trimestre ante o primeiro, para R$ 32,039 bilhões.

Fonte: Época