Renault Duster chega ao mercado nacional a partir de R$ 62.290

Inicialmente, a picape chega ao mercado em novembro em 3 versões

Image title

Image title

A Renault fez no Rio de Janeiro, nesta segunda-feira (28), a apresentação nacional da picape Duster Oroch. O modelo é baseado no bem-sucedido SUV compacto Duster, de platafoma Dacia, marca da Romênia controlada pela francesa.

Inicialmente, a picape chega ao mercado em novembro em três versões, duas diferenciadas apenas pelo motor. Não há, ainda, opções com tração integral nem transmissão automática.


Image title


Veja abaixo a gama inicial da picape:

DUSTER OROCH EXPRESSION 1.6 - R$ 62.290Motor: 1.6, 16 válvulas, 4-cilindros, que entrega 110/115 cavalos de potência (a 5.750 rpm) e 15,1/15,9 kgfm de torque (90% do pico a 2.500 rpm), com gasolina/etanol. Equipamentos: Ar-condicionado, direção hidráulica, indicador de troca de marcha (GSI), Eco-Mode (mapeamento do acelerador), travas elétricas, vidros elétricos nas 4 portas, roda de liga aro 16", barras de teto longitudinais, santantônio, alarme, comando de áudio e telefone celular na coluna de direção, Bluetooth (áudio e telefone), rádio CD MP3 com conexão USB/iPod e AUX, protetor de caçamba, faróis de neblina, retrovisores elétricos.

DUSTER OROCH DYNAMIQUE 1.6 - R$ 66.790Acrescenta: Media NAV Evolution, computador de bordo, piloto automático e controle de velocidade, parachoque com aplique cromado, vidro do motorista com função one touch e sistema antiesmagamento, volante em couro, sensores de estacionamento traseiros.

DUSTER OROCH DYNAMIQUE 2.0 - R$ 70.790Mesmo pacote do Dynamique 1.6, mas com motor de 2 litros que entrega potência de 143/148 cavalos (a 5.750 rpm) e torque de 20,2/20,9 kgfm (90% do pico a 2.750 rpm), com gasolina/etanol.Bancos de couro são opcionais nas versões Dynamique, a R$ 1.700. A Renault oferece em suas concessionárias três pacotes temáticos de acessórios (Outsider, para visual off-road/esportivo; Bike, para transportar bicicletas; e Surf, para levar pranchas), além de itens isolados, como o extensor de caçamba oficial, que permite o transporte de motocicletas. São seis opções de cores (branco, preto, cinza, prata, vermelho e verde), e a garantia é de três anos.

VEM DA BASE

Visualmente, a Duster Oroch aparenta ser um Duster "cortado". Mas defini-la dessa forma só irritará os responsáveis pela primeira picape compacta-média do Brasil. As mudanças estruturais foram profundas e incluiram até uma modificação típica de caminhões. Para otimizar o desempenho da Oroch com carga (a caçamba leva 683 litros, ou 650 kg, sem extensor), a Renault levantou a traseira do modelo.


Image title


 A Oroch ficou 36 cm mais comprida e teve o entre-eixos ampliado em 15,5 cm em relação ao Duster (foi a 2,8 metros). Como o peso também aumentou (39 kg na 1.6 e 60 kg na 2.0), a fabricante mudou o câmbio. Na Oroch 1.6, com motor de 115 cv, a quarta marcha foi reduzida em 4%, e a quinta, em 8%.Na 2.0 a mudança foi no diferencial, 7% mais curto.

A Renault desejava uma picape havia oito anos, e cogitou fazer o modelo sobre a base do Kangoo ou nacionalizar a picape Logan. "Logo percebemos que a plataforma do Duster era a ideal", explica Gustavo Schmidt, vice-presidente da empresa. A meta é vender 15 mil unidades por ano. Para Milad Kalume, gerente da consultoria Jato, o mercado deve receber bem a Oroch por sua derivação: "Os SUVs são extremamente bem aceitos, e não há risco para a Renault".



PRIMEIRAS IMPRESSÕES

CARRO ONLINE experimentou a Duster Oroch no Rio de Janeiro nesta segunda. Avaliou duas motorizações, 1.6 e 2.0, na Restinga de Marambaia, próxima à praia de Guaratiba, no sul fluminense. Acompanhou-nos Fabrice Cambolive, novo CEO da Renault no Brasil, que inclusive atuou como nosso "motorista". Com ele, foi possível esclarecer a estratégia da marca para a Oroch: "Demos muita atenção ao espaço interno e ao conforto. Veja como é silencioso aqui dentro, ao contrário do que acontece na maioria das picapes", disse, enquanto dirigia.O executivo também falou do bom espaço para os ocupantes do banco traseiro, que eleva a capacidade da Oroch a cinco passageiros. Mas, em nossa avaliação, exceto se o 5º ocupante for criança, o ideal para o conforto a bordo são duas pessoas atrás: mais uma e ficará apertado. Para abrir mais espaço para a caçamba, a posição do encosto do banco traseiro ficou 5% mais vertical. Não chega a ser um incômodo.

Image title


Ao volante (e tendo o CEO como passageiro), a sensação de dirigir a picape Oroch é de muita estabilidade e segurança. Mesmo sem carga e com apenas duas pessoas, ela não fica com a suspensão "leve", o que ocorre em outras picapes e que traz desconforto para os ocupantes, que ficam saltando nos bancos. No modelo da Renault a sensação é de estar dirigindo um SUV, e não uma picape.

Mas a surpresa maior foi dirigir a versão com motor 1.6, que apresentou boa performance na estrada e no trânsito urbano também. Entretanto, não sabemos ainda como se sairia com mais carga. No teste feito em pista pela equipe CARRO com a versão 2.0 o desempenho agradou (os números estão na edição #264 da revista).



Ninguém espera uma "pegada" esportiva nesse tipo de veículo, mas ela acelerou de 0 a 100 km/h em 10s2, até mais rápida que o SUV Duster (exato 0s5 menos). O consumo em estrada ficou prejudico, de 9,1 km/l contra o 9,5 km/l do Duster. A Oroch foi melhor mesmo na cidade, com 7,8 km/l. Os novos pneus Michelin de uso misto deram bastante eficiência às frenagens, e na pista de testes do Exército, no meio da reserva, foi possível avaliar os freios, que pararam o carro prontamente.

Segundo Carlos Henrique Ferreira, diretor de Comunicação da Renault, a procura do consumidor pela Duster Oroch deverá ser igual para as motorizações 1.6 e 2.0. Resta falar sobre o nome: Oroch é um idioma utilizado na Sibéria, região no norte da Ásia. Mas pode chamá-la mesmo de picape Duster, pois é justamente isso que ela é!


Image title


Fonte: Carro Online