Central de Artesanato sofre sem fregueses em Teresina

Um dos maiores centros de venda de produtos com apelo turístico do Piauí, A Central de Artesanato tem tido poucos clientes nos últimos meses

Localizada no Centro de Teresina, a Central de Artesanato Mestre Dezinho é o polo maior de exposição do artesanato piauiense, dedicado ao talento de artistas anônimos que ajudam a construir a identidade cultural do Piauí. Talento pouco valorizado pelos moradores da cidade, tendo em vista que a maior fonte de renda do centro provém dos turistas.

?O problema é que Teresina não é uma cidade turística e tem poucas portas de acesso. A cidade recebe muita gente de outras cidades, mas a maioria vem tratar da saúde e não está preocupada em conhecer nossa cultura e consumir o artesanato local?, fala a curadora de arte Francisca Arminda, que também possui uma loja na Central de Artesanato.

A pouca visitação do centro é um problema antigo já conhecido pelos comerciantes do local. A artesã Socorro Silva fala que é comum encontrar teresinenses que estão visitando o polo pela primeira vez. ?Por curiosidade, muitos resolvem entrar e acabam se surpreendendo com o que encontram por aqui, pois encontram produtos difíceis de ser encontrados. Eles compram doces, licores, cajuína e castanha?, diz.

Enquanto a população da cidade se restringe a procurar itens do cotidiano, cabe aos turistas consumir o artesanato vendido lá. São eles que compram o melhor que o artesanato piauiense tem a oferecer: os bordados, arte santeira, quadros, peças em argila, esculturas, objetos feitos de palha e as famosas lembrancinhas para levar de recordação da terra do sol quente.

É o caso de Antônia Maria, turista de Brasília que visita a cidade pela segunda vez. Ela afirma com entusiasmo que a Central de Artesanato é parada obrigatória durante a viagem.

?Sou encantada com a arte produzida no Piauí. Dos brincos de opala às bolsas de palha, tudo aqui é de encher os olhos. Na bagagem, levarei chaveiros, camisetas e algumas miudezas para distribuir entre os amigos de Brasília. Eles acham lindo?, declara Antônia.

A especialista em arte Francisca Arminda lamenta a falta de interesse do piauiense pela arte do Estado. ?O Piauí tem o artesanato mais diverso e rico no Nordeste.

Produzimos uma variedade de produtos que não se encontra em lugar nenhum, que faz muito sucesso em feiras e exposições realizadas nos outros estados. Se o piauiense tivesse o hábito de presentear ao próximo com produtos da terra, talvez nossa cultura fosse mais valorizada?, destaca.

Feira de Artesanato deve movimentar Centro

Na tentativa de valorizar e despertar o interesse do público para o artesanato local, a Prefeitura realiza a Semana do Artesão, de 12 a 19 de março, na Central de Artesanato Mestre Dezinho e Praça Pedro II. O evento reunirá o trabalho de grandes nomes do Estado e deverá apresentar peças nobres, tecelagens e bijuterias aos teresinenses.

Durante o evento haverá oficinas gratuitas de joias, bijuterias, trançado e tecelagem. A feira acontecerá nas manhãs e tardes da semana com apresentação de bandas locais, bumba meu boi, apresentações circenses e da escola de dança.

"Esperamos que a população compareça em peso e se interesse por estes produtos que contam um pouco da linda história do Piauí", pontua a curadora de arte Francisca Arminda.

Fonte: Francisco Lima e Olegário Borges