Centro de Convivência pretende realizar 10 mil atendimentos

As reformas em sete unidades de atendimentos, que têm investimento de R$ 2,5 milhões, foi pensada em ampliar e melhorar a estrutura nos locais, devido o aumento na demanda de pessoas que buscam partic

CONFIRA REPORTAGEM COMPLETA NA EDIÇÃO DESTA QUINTA-FEIRA (26) DO JORNAL MEIO NORTE

Os Centros de Convivência de Teresina, a nova nomenclatura dos Núcleos de Atendimento Intergeracional (NAIs) que envolvem crianças e adolescentes, em atividades contraturno da escola, e idosos têm passado por reformas estruturais, mas mesmo assim não tem parado com suas atividades.

As reformas em sete unidades de atendimentos, que têm investimento de R$ 2,5 milhões, foi pensada em ampliar e melhorar a estrutura nos locais, devido o aumento na demanda de pessoas que buscam participar das atividades.

Após denúncia de que estivesse ocorrendo evasão dos inscritos em atividades dos centros de Teresina, por falta de estrutura, material, lanches e até de instrutores, que a equipe do Jornal Meio Norte foi constatar o real cenário dos dois locais mais indicados, o primeiro foi o Centro de Convivência Marly Sarney, localizado na região central da capital e o segundo visitado foi o NAI do Monte Castelo, na zona sul.

No entanto, a situação denunciada não condiz com o que foi visto, e em ambos os centros, foi constatado a boa realização de atividades, boa estrutura, principalmente a Marly Sarney que a reforma está com 99% concluída, materiais adequados e suficientes para as atividades. É o que explica Mauricéia Carneiro, representante da Secretaria Municipal do Trabalho, Cidadania e de Assistência Social (Semtcas) de Teresina.

“A Semtcas que tem a função de fortalecer vínculos, hoje tem passado por reformas em suas sete unidades de atendimento. Mas isso não tem atrapalhado em quase nada nossas ativdades, é como a reforma feita em nossas casas, causa uns incômodos, mas continuamos as atividades. Hoje, os centros de convivência tem atendido 6 mil pessoas, dentre elas: crianças, adolescentes e idosos, com atividades físicas e pedagógicas”, esclarece a secretária da Semtcas.

Repórter: Márcia Gabriele

Fonte: Márcia Gabriele