THE: CEM faz projeto para inserção de jovens infratores na sociedade

THE: CEM faz projeto para inserção de jovens infratores na sociedade

Ainda em processo de adequação social, os jovens infratores que estão internados no CEM têm meios de conseguir manter esperanças de reinserção

?Se você tratar o adolescente como bandido, ele vai agir como bandido. Quando tratado com respeito, ele responde à altura. É assim que operamos aqui: praticamos o respeito e tratamos todos com igualdade?, avisa Francisco Herberth Neves da Cruz, coordenador geral do Centro de Educação Masculino (CEM), unidade corretiva mantida pela Secretária de Assistência Social e Cidadania (SASC) que realiza medidas socioeducativas a menores infratores sentenciados pela justiça.

Mais conhecido como CEM, o centro realiza uma série de atividades que buscam reinserir o adolescente infrator na sociedade. Lá dentro os menores têm acesso ao ensino regular, cursos profissionalizantes, atividades culturais e cumprem uma série de obrigações sociais, todas previstas no Estatuto da Criança e do Adolescente. Tudo para que eles possam ser perfeitamente incluídos na sociedade quando retornarem ao convívio social.

Os cursos profissionalizantes de panificação, reciclagem e informática são oferecidos pelo CEM durante todo o ano.

Mais que assistencialistas, estas oficinas apostam na cidadania ao reconstruir a capacidade de socialização dos internos. A eles é dada a oportunidade de aprender um ofício digno que será útil no mercado de trabalho quando o adolescente conquistar a liberdade longe das grades.

Essas atividades de capacitação contribuem para a reintegração dos internos no mercado formal de trabalho. Através do Programa de Egressos, a SASC proporcionou a entrada de 35 jovens no mercado de trabalho e cinco deles já possuem carteira assinada. Graças ao CEM, outros seis internos irão realizar os testes do ENEM no mês de novembro.






src="http://static.meionorte.com/uploads/imagens/2012/9/13/f7947cc15c11c07a0d57e2d42a3f6cc5.jpg" width="600" height="399" />



Fonte: Francisco Lima e Olegário Borges