Chuvas causam alagamentos, inundações e desabamentos em Fortaleza

A Defesa Civil do Município registrou 87 ocorrências com as fortes chuvas em Fortaleza

A chuva de 59 milímetros, entre 9 e 15 horas de ontem, conforme a Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos (Funceme), mostrou mais uma vez o despreparo estrutural de Fortaleza para lidar com esse fenômeno. Foi preciso apenas duas horas de precipitações pluviométricas (47.8 mm, das 9 às 11 horas) para a cidade virar um caos. A Defesa Civil do Município registrou 87 ocorrências, sendo 61 alagamentos, nove inundações, nove riscos de desabamento, cinco desabamentos, dois deslizamentos e um incêndio.

Os desabamentos foram registrados no Centro da cidade (1) e outros quatro nos bairros Castelo Encantado, Quintino Cunha, Maraponga e Planalto Airton Sena. Segundo o coordenador de Emergência e Socorro da Defesa Civil; Luiz Pinho, o maior número de ocorrências foi na Regional V (32), em bairros como Canindezinho (5), Bom Jardim (4) e Planalto Airton Sena (4).

Chama atenção o grande número de ocorrências na área central. Foram nove registros: além do desabamento, foram cinco alagamentos, dois riscos de desabamentos e uma inundação. Após as 17h, a Defesa Civil continuava recebendo ocorrências e tinha duas equipes atendendo a chamados na SER V, correspondente ao Grande Mondubim, e na Regional VI, à Grande Messejana.

Carros boiando no meio da água, desespero, pessoas ilhadas, casas alagadas, engarrafamentos intermináveis, prejuízos e muitos transtornos pelas diferentes ruas e avenidas. No Centro, por exemplo, o Diário do Nordeste flagrou na Avenida Heráclito Graça, próximo ao cruzamento com a Rua Antônio Augusto, o desespero da universitária Priscila Lopes.

A estudante vinha da faculdade acompanhada de mais dois amigos e viu praticamente seu carro ser engolido pelo verdadeiro mar de águas que se formou na avenida. O Palio de placa KKH-4860 ficou completamente molhado e foi resgatado por moradores do local, que retiraram Priscila e seus colegas pela janela.

?Pensei que dava para passar porque de longe deu a impressão que dava para subir na rua e acabei nessa situação desesperadora. O carro está completamente parado e encharcado e agora não sei nem como vou pagar os prejuízos?, conta ela.

Ela não foi a única a ter prejuízos. No mesmo local, pelo menos três veículos ficaram ilhados, com água na altura do trinco das portas - uma D-20 prata no meio da Heráclito Graça, além de um Pegeout 207 e uma Fusca branco estacionados na avenida.

A uma quadra do local, na Rua Ildefonso Albano, o ônibus 26.903 da Viação Maraponga, que faz a linha Antônio Bezerra/Papicu, passou cerca de uma hora e meia parado no meio da água com passageiros dentro devido uma pane. O trânsito no trecho entre as ruas Carlos Vasconcelos e João Cordeiro ficou interditado e foi desviado para as ruas secundárias pelos agentes da Autarquia Municipal de Trânsito, Serviços Públicos e Cidadania (AMC).

O dia de trabalho no comércio praticamente acabou depois que a chuva começou, por volta das 10h30. Alguns ambulantes na Rua General Sampaio guardaram os produtos e foram embora. Outros resistiram e ficaram com roupas, produtos importados e comidas molhadas. ?Fiquei com todos os bonés e chapéus molhados. A minha sorte é que posso lavar e vender de novo?, disse o ambulante Antônio Celso Silva, que resistiu à chuva e manteve o posto de trabalho.

Em vários pontos da cidade, os problemas eram muitos para motoristas e pedestres. Nas Avenidas Desembargador Moreira e Raul Barbosa, por exemplo, os alagamentos deixaram carros e caminhões parados e, até mesmo, boiando em meio às verdadeiras ?lagoas? que se formavam nas vias. Para se ter uma idéia, na Raul Barbosa, os carros voltavam a todo momento de ré ou alteravam a rota para não ficarem ?ilhados?.

O motorista Adarilam Braga, 28 anos, parou seu veículo, esperou, até que finalmente concluiu que a avenida estava ?sem condições? para ser atravessada. ?Sempre passo por aqui e estava indo a Horizonte para entregar uma encomenda. Fiquei de chegar por volta de 12 e 13 horas. Entretanto, com a chuva, só vou conseguir fazer entrega umas 15 horas. Não posso arriscar a perder o carro com que trabalho? ?.

Ao contrário de Braga, o economista Almir Moura, 45 anos, estava no caminhão em que o motorista decidiu enfrentar o trecho alagado. O veículo ficou ilhado. ?Nunca vi isso aqui. A chuva alagou tudo. Acredito que é preciso um processo de drenagem, pois os esgotos estão entupidos. As ruas estão alagadas e com muitos buracos, está muito difícil andar por Fortaleza?, enfatiza.

No canal do Lagamar, o nível da água do Rio Cocó também estava alto. Tanto que crianças brincavam tomando banho, enquanto os adultos olhavam preocupados a situação. Na Rua Coronel João Carneiro, no cruzamento com a BR-116, o acúmulo era tanto que dificultava a passagem dos pedestres, que apresentam água na altura dos joelhos.

Fonte: Diário do Nordeste, www.diariodonordeste.com.br