Cidade completa um ano sem água nas torneiras

A estiagem que afeta a região oeste do Rio Grande do Norte desde o ano passado fez secar o açude Dona Lulu Pinto.

O colapso no abastecimento de água do município de Luís Gomes (452 km de Natal) completa um ano nesta segunda-feira (29). Foi neste mesmo dia, no ano passado, que as torneiras secaram na cidade, e, desde então, a agonia dos moradores continua a mesma. A estiagem que afeta a região oeste do Rio Grande do Norte desde o ano passado fez secar o açude Dona Lulu Pinto, único manancial que abastecia o lugar. Com isso, a rotina da pacata cidade, que tem 9.610 habitantes, segundo dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), mudou. Os moradores têm de enfrentar uma maratona antes do sol nascer para conseguir um pouco de água para levar para casa.



Diariamente a cena de enormes filas com pessoas com baldes, latas de água e outras vasilhas se forma logo ao amanhecer no centro da cidade. Apesar de estarem adaptados ao racionamento de água, os moradores ainda se queixam de que a quantidade trazida por caminhões pipa é insuficiente para toda cidade.

?No início existiam mais carros particulares ofertando a venda de água, mas agora está cada vez mais difícil. Custa caro e ainda tem o incômodo de ter que subir na caixa de água para encher?, disse o morador Francisco Morais, que compra 6.000 litros de água ao preço de R$ 120.

?Economizando muito, esta quantidade só dá para 20 dias, numa casa com dois adultos e uma criança.? A família dele gasta em média R$ 150 por mês para ter água. No lugar do açude existe um buraco com terra rachada. ?A chuva deste ano sequer fez uma lama no açude?, disse Maria de Lourdes Alcântara, que mora no centro da cidade e está ansiosa para que possa usar as torneiras da casa.

Ela é uma das centenas de mulheres que acordam antes de o sol nascer para conseguir um dos primeiros lugares na fila da caixa de água comunitária. ?Sou dona de casa e recebo o bolsa-família. Se eu for comprar água não teremos o que comer aqui em casa. Não tem condições de gastar toda nossa renda comprando água?, disse, destacando que quando consegue encher os baldes logo já sai rapidamente para levar a água para casa e retornar ao final da fila para tentar pegar mais um pouco.

Em Luis Gomes o reaproveitamento de água se tornou lei. As donas de casa fazem manobras para usar até a última gota. A água que lava a roupa serve para lavar o banheiro. A usada na cozinha é usada para dar descarga e regar as plantas. ?Lavar a casa é coisa rara. A gente não pode se dar esse luxo porque água aqui é ouro. Economizamos até com as roupas, que tentamos usar repetidas vezes até lavar?, disse a moradora Claudia Silva.

Quando completou cem dias que o município estava sem água o MP (Ministério Público Estadual) moveu uma ação civil pública com pedido de tutela antecipada cobrando uma solução em definitivo. O MP deu o prazo de seis meses para que a Caern (Companhia de Águia e Esgoto do Rio Grande do Norte) resolvesse o problema ?permitindo a retomada, de forma contínua e ininterrupta, do fornecimento de água tratada encanada nas torneiras das residências?, mas já se passaram 365 dias, e a água ainda não chegou às torneiras.

Fonte: UOL