Cinegrafista se fere gravemente em ato, vai para hospital e é operado, mas segue em estado grave

Cinegrafista se fere gravemente em ato, vai para hospital e é operado, mas segue em estado grave

Santiago Andrade, da Bandeirantes, foi atingido por um artefato na cabeça

O repórter cinematográfico da Bandeirantes, Santiago Ilídio Andrade, que ficou gravemente ferido na cabeça nesta quinta-feira (6) durante um protesto no Centro do Rio continua internado no Hospital Souza Aguiar. Ele teve afundamento de crânio, passou por uma cirurgia de aproximadamente quatro horas e seu estado de saúde é grave. Como mostrou o Bom Dia Rio, outras seis pessoas também foram levadas para o hospital; cinco delas já tiveram alta. De acordo com a Secretaria Municipal de Saúde, outro homem, que não teve a identidade revelado, continua internado, mas não corre risco de morrer.

No fim da tarde, cerca de mil pessoas se reuniram pacificamente na Igreja da Candelária. O protesto foi contra o aumento da tarifa de ônibus que passa, neste sábado, de R$ 2,75 para R$ 3 reais. O reajuste é de 9,09%. Estudantes, integrantes de partidos políticos e black blocs caminharam em direção à Central do Brasil.

Dentro da estação de trem, mascarados subiram nas catracas. Algumas delas foram quebradas. Houve confronto com a Polícia Militar, e muita correria. Passageiros se sentiram mal. Outros fugiam do tumulto.

Do lado de fora, mais confusão. Um grupo atirou paus e pedras nos PMs. Os policiais lançaram bombas de efeito moral. Vândalos arrancaram placas de metal para usar como escudo e chutaram tapumes.

Fotos da Agência Globo mostram o momento em que o cinegrafista da TV Bandeirantes, Santiago Ilídio Andrade, é atingido na cabeça.


Cinegrafista se fere gravemente em ato, vai para hospital e  operado, mas segue em estado grave

O cinegrafista está em pé, com a câmera no ombro, trabalhando no meio da praça. No primeiro registro, vê-se um rastro de fogo com faíscas perto das costas dele.

À direita, a foto mostra uma explosão sobre a cabeça do funcionário. Uma grande quantidade de fogo se espalha. Na imagem abaixo, à esquerda, ele se curva, ainda com a câmera no ombro, e é possível ver muita fumaça.

Momentos depois, o repórter cinematográfico da TV Globo, Júnior Alves, se aproxima e registra a imagem do cinegrafista da Bandeirantes caído no chão.

A TV Globo não conseguiu encontrar testemunhas que contassem de onde partiu a bomba ? se foi da polícia ou de vândalos.

O comandante do 5º Batalhão Luis Henrique Marinho passou a seguinte informação para a assessoria de imprensa da PM: ele disse que estava a 30 metros do local onde o cinegrafista foi atingido e afirmou ter visto pessoas vestidas de preto lançarem morteiros. Ainda de acordo com o comandante, um desses explosivos caiu na cabeça do funcionário da TV Bandeirantes.

No início da madrugada desta sexta-feira, a Secretaria de Saúde informou que a cirurgia do cinegrafista Santiago Andrade foi concluída e a hemorragia no ferimento da cabeça, controlada. Ele continua em estado grave, no CTI.

A Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji) divulgou nota repudiando a agressão ao cinegrafista da Bandeirantes. A Abraji informa que ainda não se sabe quem disparou o artefato ? se policiais ou manifestantes. Afirma também que é necessária uma apuração rápida do que ocorreu para que procedimentos sejam revistos e para que o estado proteja a liberdade de expressão, a liberdade de informação e o jornalista.

A TV Bandeirantes também divulgou nota, informando que o cinegrafista Santiago Andrade foi ferido na cabeça por um artefato ? e que não se sabe, por enquanto, se por uma bomba de gás lacrimogêneo ou de fabricação caseira. O comunicado diz também que a Band espera no hospital, junto à família de Santiago, os resultados da cirurgia.

A TV Globo também lamenta profundamente o episódio e acompanhará de perto o caso até que tudo seja esclarecido. E se solidariza com a família do cinegrafista da Bandeirantes, Santiago Andrade.


Cinegrafista se fere gravemente em ato, vai para hospital e  operado, mas segue em estado grave

Fonte: Terra