Clínica em SP é fechada após morte em lipoaspiração

A defesa dos proprietários da policlínica disse que a família da mulher morta será indenizada

Uma policlínica em Guarulhos, na Grande São Paulo, foi fechada pela Vigilância Sanitária, após uma dona de casa de 29 anos morrer, na tarde de sexta-feira (12), depois de ter feito uma cirurgia de microlipoaspiração no local.

Segundo a Vigilância Sanitária, a clínica não tem permissão para realizar cirurgias. O alvará que autorizava apenas atendimento clínico no local também não tinha sido renovado. A policlínica foi autuada duas vezes este ano, por ampliar a instalações sem atender as exigências sanitárias.

A defesa dos proprietários da policlínica disse que a família da mulher morta será indenizada se for comprovada a responsabilidade dos profissionais de saúde na morte.

Parentes da dona de casa irão entrar com uma ação pedindo o fechamento da clínica. A informação foi confirmada na manhã da segunda-feira (15) pela assessoria do vereador Unaldo Santos (PSB), da Câmara Municipal de Guarulhos. O vereador é primo da dona de casa.

A polícia informou que, minutos depois de ser levada para a sala de repouso, após o procedimento cirúrgico, a mulher apresentou complicações. Ela chegou a retornar à sala de cirurgia, mas não resistiu. À polícia, os médicos disseram que a dona de casa sofreu uma parada cardíaca e que não foi possível reanimá-la, mesmo com várias tentativas.

Na manhã desta segunda, o Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo (Cremesp-SP) informou que abriu sindicância para investigar a morte da dona de casa. Com a abertura da sindicância, começa uma tramitação que, caso encontre algum indício de erro médico, pode terminar com cinco tipos de penalidades que vão desde uma advertência confidencial até a cassação da licença do médico responsável pelo procedimento cirúrgico.

Fonte: g1, www.g1.com.br