Clínica no RJ é investigada por retirar útero de paciente grávida

Clínica no RJ é investigada por retirar útero de paciente grávida

Polícia já convocou dono da clínica e médico para prestar depoimento

Uma clínica em Belford Roxo, na Baixada Fluminense, está sendo investigada pela polícia após ter realizado uma cirurgia para a retirada de útero de uma paciente, que só depois do procedimento descobriu que estava grávida, como mostrou o RJTV.

No início desse ano, Cenira dos Santos, de 37 anos e mãe de duas filhas, procurou atendimento na unidade médica. O médico afirmou que seria necessária uma histerectomia, cirurgia para a retirada de todo o útero.

A cirurgia foi realizada no Hospital de Clínicas de Belford Roxo, que atende pelo Sistema Único de Saúde, no dia 11 de abril. Antes da operação, segundo a família da paciente, não foram feitos mais exames.

A gravidez foi descoberta numa biopsia do órgão retirado, que constatou a presença de um feto de cerca de três centímetros, aproximadamente, quatro semanas de gestação. Como o ciclo menstrual de Cenira estava irregular, por causa de medicamentos para regredir os miomas, ela nem desconfiou da gravidez.

?Eu nunca abortei na minha vida, já passei por muita dificuldade , mas nunca tirei um filho. Porque eu acho que a vida é muito importante e eu acho que este é um dom que Deus deu pra mulher?,diz Cenira, visivelmente abalada.

Investigação

O caso está sendo investigado pela Delegacia da Mulher de Belford Roxo, que já convocou o dono da clínica e o médico responsável pela cirurgia. Eles devem ser ouvidos esta semana e podem ser processados pelo casal. ?A população tem que saber o que está acontecendo e os médicos têm que ter mais amor pelos seus pacientes?, diz Rubem, marido de Cenira.

?Depois que passou a anestesia eu senti muita dor. Eu já tive filhos e não senti esta dor. Já tive duas cesáreas e não senti essa dor e remédio nenhum passava?, lembra a paciente.

Em nota, a direção do hospital informou que ficou ciente do caso apenas na sexta-feira (22) e está abriu procedimento para averiguar o ocorrido. "As pacientes procuram atendimento no hospital, onde é feita uma triagem e são encaminhadas para os respectivos médicos, de acordo com a especialidade. Quem avalia, indica e solicita exames para cirurgia é o médico responsável e a administração não tem ciência de certas questões. O diretor da casa de saúde não participa de agendamento e/ou avaliação de paciente para cirurgia. Mesmo assim, a comissão de ética do hospital já está procurando saber o que de fato aconteceu para dar o suporte necessário a paciente", diz a nota

Fonte: G1