Com ajuda de câmeras, Strans aplica até 20 multas a cada hora em Teresina

Com ajuda de câmeras, Strans aplica até 20 multas a cada hora em Teresina

Com câmeras, Strans aplica até 20 multas a cada hora

Instaladas na Avenida Frei Serafim, as câmeras móveis ajudam a flagrar imprudências no trânsito da principal via urbana da capital, além de ajudarem os agentes de trânsito a deixar o trânsito mais fluido.

São 22 câmeras móveis com o propósito de organizar a via e punir os infratores, mas há quem diga que elas foram instaladas exclusivamente com o propósito de alimentar a indústria de multas.

Procurada pela reportagem do jornal Meio Norte, a assessoria da Superinendência Municipal de Transporte e Trânsito (Strans) não forneceu o número de multas aplicadas durante o período de vigência dos aparelhos eletrônicos, instalados em maio de 2012.

Conhecidos como ?olho eletrônico?, as câmeras móveis fazem o monitoramento da Frei Serafim no período das 6 às 19 horas, todos os dias, por uma equipe formada por seis agentes que se dividem em dois turnos.

?As câmeras são muito poderosas e têm um poder de captação muito bom, com elas é possível observar até o interior dos carros.

Não tem como afirmar um número exato de multas aplicadas por mês, mas às vezes uma agente chega a registrar 20 infrações por hora?, afirma Denilson Guerra, gerente de monitoramento da Strans.

Denilson destaca que apesar da quantidade elevada de infrações captadas pelas câmeras de monitoramento, a fiscalização eletrônica automatizada ainda é a maior emissora de multas em Teresina.

?Os sensores fixos de velocidade, também conhecidos como barreiras eletrônicas, são os principais emissores de multas, pois estão presentes em 127 cruzamentos da cidade. Mas a detecção das infrações de trânsito feitas por esses aparelhos não é responsabilidade do Strans, e sim de outra empresa?, afirma o gerente.

Entre as infrações mais comuns estão a desobediência à faixa especial destinada exclusivamente para os ônibus, parar na faixa de pedestres, estacionamento irregular, motociclistas sem capacete, motoristas falando ao celular ou sem usar o cinto de segurança e até excesso de passageiros nos carros.

Uma das infrações mais graves costumeiramente captadas pelo olho são os mototaxistas piratas, aqueles que atuam sem registro, operando de forma ilegal.

O serviço de monitoramento eletrônico também presta um serviço público e ajuda civis a solucionarem problemas que ocorrem nas imediações da avenida Frei Serafim.

?Qualquer cidadão pode utilizar os serviços das câmeras, contanto que estejam aparamentados com a devida documentação legal?, destaca Denilson.

Casos de furtos e roubos de carro já foram resolvidos graças a ajuda do ?olho que nunca pisca?, além de contribuir para a manutenção do bem-estar de pedestres e demais cidadãos que circulam pela via mais importante da cidade.

Fonte: Olegário Borges