Com mercado de trabalho aquecido no PI, disputa por estágio é acirrada

Com mercado de trabalho aquecido no PI, disputa por estágio é acirrada

Depois de passar pela concorrência do vestibular, estudantes precisam enfrentar a disputa por uma vaga de estágio.

É um momento pedagógico de aprendizagem, em que o estudante poderá aliar a teoria à prática. Estamos falando de estágio, que tem levado muitos estudantes a entrar em longas filas, mais parecidas com as de emprego.

Um levantamento comparativo realizado em janeiro pelo CIEE aponta um crescimento na contratação de estagiários por empresas e órgãos públicos de todo o País. No ano passado, 221 mil novos contratos foram assinados, o que representa um crescimento de 7,3% em relação ao a 2010, quando houve 206 mil assinaturas.

Para Helleni Coelho, supervisora do CIEE, isso ocorre porque a contratação de estagiários é uma das mais eficientes modalidades de atração, retenção e preparação, segundo a cultura organizacional, de futuros talentos para a empresa.

E quando os estágios se transformam em concorrência, o que fazem os estudantes? Hoje a corrida por uma vaga acontece de forma bastante acelerada. A juventude teme não encontrar espaço no mercado de trabalho, o que acaba pressionando por uma busca cada vez mais frenética.

Segundo a Lei do Estágio, essa experiência visa o aprendizado de competências próprias da atividade profissional e à contextualização curricular, objetivando o desenvolvimento do educando para a vida cidadã e para o trabalho.

Pedro Henrique Gomes é estudante de Direito e hoje passa pela dificuldade de conseguir estágio. Mas ele não está só. Devido à grande demanda, centenas de estudantes passam por esse mesmo problema. ?O estágio é uma etapa importante na preparação para o mercado de trabalho, especialmente para quem tem a vontade de ingressar na iniciativa privada, onde experiências anteriores são requisitos básicos.

Eu encaro essa concorrência para provas de estágio, para a grande massa que presta essa avaliação, como um resultado dessa inflação de faculdades de Direito?, conta Pedro.

Estágio deve aliar teoria à prática

De acordo com a responsável pelo Setor de acompanhamento de Estágio da UESPI, Ana Célia, o processo de estágio é importante e indispensável em todas as áreas do conhecimento, tanto que é parte do currículo pedagógico dos cursos, sendo obrigatório. Esta compreensão parte, segunda ela, da necessidade de introduzir os estudantes na formação direta no locus de atuação profissional, onde podem ter a experiência prática do que irão fazer no seu futuro profissional.

No entanto, há ressalvas no que diz respeito a aplicação desta lógica. Mariana conta que considera o estágio muito importante no processo de aprendizagem, no entanto, não se costuma respeitar o processo pedagógico nos espaços profissionais. ?O que vemos é que temos as mesmas cobranças, entretanto, o salário não é o mesmo e não há preocupação na formação do estudante?, diz Mariana.

Já Ana Célia discorda do ponto de vista da estudante. ?Muitas vezes se trata de estudantes carentes, que acabam indo muito cedo para os estágios e se dedicam muito a ele esquecendo da universidade. O que traz uma preocupação para que os estudantes não sejam explorados. Porque ele vai exercer um trabalho e não é para assumir o papel do profissional. Sabemos que muitas empresas podem se utilizar disso. Temos que tomar o cuidado para o estudante não prejudicar sua vida acadêmica?, conta.

Lourival de Carvalho não se furta da crítica, mas considera que estágio é extremamente importante para aprendizagem. ?Chegou um momento em que entrei em um impasse. O medo de não conseguir ter os elementos suficientes para entrar no mercado de trabalho, pois o estágio curricular não foi suficiente. Daí comecei uma maratona a procura de estágio. Podemos aprender em sala de aula, mas o ambiente de trabalho lhe permite uma aprendizagem prática intransferível. Hoje tenho a oportunidade de aprender muito e ser bem acompanhado?, conta.

Lourival conta que no seu atual estágio pode contar com apoio e aprendizagem, o que segundo ele, não é uma constante nos escritórios de advocacia. ?Hoje estou em um órgão público, que atualmente é o espaço mais disputados, onde temos boas oportunidades de aprendizagem?.

Concorrência é comparada à procura por emprego

A supervisora do CIEE, Helleny Coelho, conta que as vagas são muito concorridas. ?Para se ter ideia, no recente processo seletivo realizado pelo CIEE para o Tribunal de Justiça, no Distrito Federal, contamos com mais de 12 mil participantes?, diz.

Helleny destaca também que os estágios são portas de entradas para empregos futuros, correndo o risco da falta desta experiencia significar um diploma na mão com portas fechadas no mercado de trabalho. ?Isso significa que o estágio é a mais eficiente porta para ingresso no mercado de trabalho e para se manter nele, já que garante experiência prática, aprimora habilidades muito valorizadas no mercado?.

Pesquisa do instituto TNS InterScience, indica que 64% dos estagiários são efetivados ao final do primeiro ou segundo período de capacitação. A presença do estagiário oxigena o ambiente de trabalho, motiva os veteranos e traz para o interior das organizações as novas tendências em tecnologia, processos e técnicas de produção, graças às informações que o aluno recebe na escola.

Isso significa que o estágio ultrapassa os limites pedagógicos e educativos, para ser mais um funil de ingresso ao mercado de trabalho. Por muitas vezes, estudantes abandonam processos importantes do curso para se dedicar ao estágio, pois encaram como emprego e um fechamento de portas neste momento pode significar um desemprego no futuro.

Estágio exige alguns critérios

Como se trata de um espaço onde haverá aprendizado e também trabalho prático, as empresas costumam adotar critérios para contratação de estagiários. Helleni explica que é recomendável que a pessoa se informe sobre a empresa que pretende estagiar, verifique a cultura da companhia e se prepare previamente para os processos seletivos. Acessar o site da corporação pode ser uma boa opção para isso.

?Outro ponto é a atenção ao currículo, que deve ser elaborado de maneira clara salientando as qualidades e habilidades do candidato. Conhecimento de informática e de segundo idioma (preferencialmente o inglês) também são bons diferenciais?, diz Helleni.

Uma pesquisa realizada pelo CIEE, junto a 479 executivos de Recursos Humanos de empresas parceiras na promoção de estágio, relaciona algumas dessas habilidades valorizadas por eles na seleção de candidatos. Trabalho em equipe ? 15%, Iniciativa ? 15%, Comunicação verbal ? 14,7%, Ética ? 12,2%, Relacionamento interpessoal ? 11,2%, Planejamento e organização ? 9,5%, Criatividade ? 6,9%, Flexibilidade ? 5,5%, Foco nos resultados ? 5,4%, Liderança ? 3,7%.

Estudantes utilizam estágio para permanecer no campus

Mariana Duarte é estudante de comunicação social e é um exemplo daquele estudante que se desdobra para dar conta de estágio e estudo. Sua rotina costumava começar às 6 horas da manhã já no batente, onde estagiava.

Mariana conta que era uma necessidade da própria permanência na universidade, já que a bolsa que recebe no estágio é utilizada para suprir as demandas na universidade.

?Eu acordava antes das 5 da manhã. Houve vezes em que o tempo dentro do portal já tinha acabado e eu tinha de ficar. Já cheguei a sair 15 horas, sendo que minha aula começava as 14 horas. Hoje consegui outro estágio, menos corrido. Mas essa era uma necessidade, principalmente porque não existe assistência estudantil na universidade, que garanta bolsas de permanência suficientes para a demanda?, diz Mariana.

Lourival de Carvalho, estudante de Direito, também passa pela mesma situação, onde o estágio veio a sanar vácuos da universidade, além de ser uma possibilidade de permanência na academia. Lourival lembra que por muitas vezes os estudantes abandonam processos importantes da universidade, quando deveria garantir permanência. ?Isso poderia ser diferente, se a universidade oferecesse bolsas de pesquisa, extensão e condições completas para o estudo?, conta Lourival.

Fonte: Sarah Fontenelle