Cometa Ison já é visto a olho nu; observações podem ser feitas até dezembro 17

A tendência é que o brilho aumente até a máxima aproximação com o Sol no dia 28.

O cometa Ison, chamado de cometa do século, vêm aumentando seu brilho conforme se aproxima do Sol. Na manhã do dia 14, ele estava seis vezes mais brilhante do que na manhã anterior. A tendência é que o brilho aumente até a máxima aproximação com o Sol no dia 28. A partir daí, ele se afasta da estrela até desaparecer no horizonte em 20 de dezembro. Assim, é possível observá-lo com binóculo e até a olho nu, como na foto acima, tirada nos EUA.

Enquanto o cometa se aproxima do Sol, sua melhor visualização é antes do nascer do astro. Se o cometa sobreviver à aproximação, poderá ser visto no hemisfério norte. No dia 28, o cometa estará a 1.094.353,92 km da nossa estrela, uma distância muito próxima para termos astronômicos (três vezes a distância entre a Terra e a Lua). Já a maior aproximação com a Terra será (se ele sobreviver) em 20 de dezembro, quando ficará a 62.764.416 km.


Cometa Ison já é visto a olho nu; observações podem ser feitas até dezembro 17

Para observar

Se você quer tentar observar o cometa Ison, a primeira dica é acordar cedo - ou dormir bem tarde. Até o dia 18 de novembro, o cometa estará cada vez mais próximo (visualmente) da estrela Spica na constelação de Virgem. Ele estará mais ou menos numa linha imaginária entre o planeta Marte e Spica. O blog Física na Veia fez uma simulação para você achar o cometa no céu.

Fonte: UOL