Comissário veio para enterro do pai

Lucas morava na França e trabalhava na Air France há dois anos

O comissário de bordo da Air France Lucas Gagliano Jucá, 24 anos, um dos 11 tripulantes do vôo AF 447 que desapareceu depois de sair do Rio de Janeiro em direção a Paris, na França, tinha vindo ao Brasil para o enterro do pai e estava no País há 15 dias. Lucas morava na França e trabalhava na Air France há dois anos.

Na segunda-feira, a prima de Lucas, Bruna Gagliano Jucá, esteve no Aeroporto Internacional do Rio de Janeiro (Galeão) para tentar obter informações sobre a lista de passageiros do vôo AF 447.

Um tio de Lucas, que se identificou apenas como Luiz Eduardo, mostrou uma foto do sobrinho enquanto aguardava informações no hotel Windsor, na Barra da Tijuca, Rio de Janeiro, onde a Air France montou uma central de atendimento aos parentes das vítimas. "É um momento muito difícil para a família, porque Lucas se foi dias depois da morte do pai", afirmou.

A companhia irá oferecer transporte gratuito aos familiares que comparecerem ao aeroporto do Galeão, para que sejam levados ao hotel.

No local, os parentes das vítimas poderão receber atendimento médico e psicológico. Na manhã desta terça-feira, mais uma equipe, composta por cerca de 20 voluntários, dois médicos e uma enfermeira vieram de Paris para prestar assistência aos familiares das vítimas.

O acidente

O Airbus A330 saiu do Rio de Janeiro no domingo (31), às 19h (horário de Brasília), e deveria chegar ao aeroporto Roissy - Charles de Gaulle de Paris no dia 1º às 11h10 locais (6h10 de Brasília).

De acordo com nota divulgada pela FAB, às 22h33 (horário de Brasília) o vôo fez o último contato via rádio com o Centro de Controle de Área Atlântico (Cindacta III). O comandante informou que, às 23h20, ingressaria no espaço aéreo de Dakar, no Senegal.

Às 22h48 (horário de Brasília) a aeronave saiu da cobertura radar do Cindacta, segundo a FAB. Antes disso, no entanto, a aeronave voava normalmente a 35 mil pés (11 km) de altitude.

A Air France informou que o Airbus entrou em uma zona de tempestade às 2h GMT (23h de Brasília) e enviou uma mensagem automática de falha no circuito elétrico às 2h14 GMT (23h14 de Brasília). A equipe de resgate da FAB foi acionada às 2h30 (horário de Brasília).

Fonte: Terra, www.terra.com.br