Complexo do Alemão ganha hoje rede sem fio gratuita de internet

A partir desta terça-feira (31) tem início o programa Estado Rio Digital.

O maior conjunto de favelas do Rio de Janeiro e do Brasil (12 no total) entra, após o processo de pacificação que tirou o controle de território dos traficantes, na era digital.

A partir desta terça-feira (31) tem início o programa Estado Rio Digital no Complexo do Alemão, projeto que dará acesso gratuito a internet sem fio a cerca de 80 mil moradores da região nessa primeira etapa.

São 39 antenas para a recepção do sinal de banda larga espalhadas por lajes e casas de moradores do morro do Adeus, que serão os primeiros beneficiados do programa, que se estenderá ainda por outras cinco fases, como explica o secretário estadual de Ciência e Tecnologia, Alexandre Cardoso. ¿Quando o programa estiver totalmente implantado, serão beneficiados mais de 300 mil habitantes, o que deve ocorrer até o meio do ano.

Durante todo o processo de instalação teremos equipes de quatro monitores que irão detectar, junto com a comunidade, os possíveis problemas¿, explicou Cardoso. A rede sem fio gratuita terá início na área que compreende as ruas Tangara, João Fontoura, Aquiri, Engenheiro Manuel Segurado e Estrada do Itararé.

A fase de calibragem do sistema dura cerca de uma semana - quando os técnicos presentes no local fazem todo o tipo de experimentação para checar se a rede sem fio está funcionando normalmente. A velocidade do Rio Digital, porém, ainda é baixa, 250 kbps, e permite, no geral, acesso a site de notícias, e-mail, mas não compete com as lan houses, por exemplo, estabelecimento referência na região para download de jogos, músicas e filmes.

A secretaria de Ciência e Tecnologia não revelou o custo final de todo o projeto, que é desenvolvido em parceria com especialistas de universidades do Rio de Janeiro, como a PUC, a Universidade Federal Fluminense (UFF), Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ).

¿Como as antenas estão sendo instaladas nas lajes das casas, pedimos às lideranças para orientas as crianças a não soltarem pipas nas proximidades para evitar o risco da linha prender nas antenas. As sedes das associações de moradores servirão de base para os monitores orientarem a população nesta primeira fase, quando é muito comum acontecerem problemas e dúvidas sobre a implementação¿, completou o secretário.

O acesso Wi-Fi livre de custos teve início no Rio de Janeiro em 2009 na orla de Copacabana. A primeira comunidade que entrou no programa gratuito foi a de Santa Marta, em Botafogo, costumeiramente pioneira em iniciativas como esta por parte do Estado. Posteriormente, as favelas do Pavão-Pavãozinho e Cantagalo e Rocinha, também na zona sul, passaram a ser atendidas.

Na região portuária, o morro da Providência também conta com o sinal gratuito de internet, assim como a favela do Batan, na zona oeste, a avenida Presidente Vargas, no centro, e a rua Tereza, em Petrópolis, na região serrana do rio. Por dia, são 29 mil acessos.

Fonte: Terra