Candidatos e recrutadores mostram o que lhe ajuda na conquista da vaga

A pesquisa foi realizada online nos EUA e no Canadá entre maio e julho deste ano

O que deve ser feito para o candidato achar um emprego e o recrutador encontrar o perfil certo para a vaga que precisa ser preenchida? O que os empregadores esperam dos candidatos e vice-versa? Um novo estudo da CareerBuilder com 5.518 candidatos a emprego e 2.775 gerentes de contratação mostra o que cada lado no processo de seleção espera um do outro. A pesquisa foi realizada online nos EUA e no Canadá entre maio e julho deste ano.

"Às vezes pode haver uma desconexão entre o que os empregadores e os candidatos a emprego esperam no processo de contratação", diz Rosemary Haefner, vice-presidente de Recursos Humanos da CareerBuilder. "Nosso estudo avalia como diferentes percepções e comportamentos evoluíram entre esses dois grupos, o que pode ajudar ou atrapalhar o recrutamento e a busca de trabalho", afirma.

Lições para candidatos

Esteja pronto para falar com o alto escalão. Prepare-se para cada entrevista de emprego como se fosse falar com o CEO ou outro líder sênior, porque isso pode ser a realidade para alguns trabalhadores. O estudo mostra que 38% dos empregadores informaram que os candidatos a emprego são entrevistados por um executivo de alto nível dentro de sua organização (CEO, CFO, COO etc.).

Certifique-se de que seu perfil na rede social é livre de ?sujeira digital?. Um número significativo de empregadores usa a internet para descobrir mais informações sobre um candidato. O estudo mostra que 48% dos empregadores vão usar as ferramentas de busca do Google ou de outros sites para pesquisar os candidatos. Outros 44% vão pesquisar o candidato no Facebook. E 27% irão monitorar a atividade do candidato no Twitter. E algumas das atividades de pesquisa acontecem antes de os candidatos serem chamados para uma entrevista de emprego.

Embora a falta de habilidades seja a principal razão pela qual muitos empregadores descartam um candidato, dois outros fatores muitas vezes são levados em conta. A pesquisa revela que 23% dos empregadores descartam o candidato que não se ajusta à cultura da empresa. Outros 18% vão eliminar candidatos cujas expectativas salário sejam muito altas.

Etiqueta é necessária ? o candidato deve deixar uma boa impressão durante e depois da entrevista. A pesquisa mostra que 58% dos empregadores disseram que é importante enviar um agradecimento após a entrevista; outros 24% disseram que é muito importante.

Lições para recrutadores

Se o recrutador não usa dispositivos móveis como smartphones e tablets, pode estar perdendo grandes talentos para a concorrência. Cerca de dois em cada cinco empregadores (39%) têm vagas que ficam abertas por quatro meses ou mais devido à incapacidade de encontrar pessoas com as competências adequadas. A busca de emprego via dispositivos móveis está crescendo em ritmo acelerado, e os empregadores que não usam esses aparelhos estão perdendo os talentos-chave para as vagas.

O estudo mostra que pelo menos metade dos candidatos com dispositivos móveis passam três horas ou mais procurando empregos através desses aparelhos toda semana (49% em smartphones e 59% em tablets). Outros 65% que procuram emprego através de dispositivos móveis deixam de visitar sites que não são adaptados para celular ou tablet; e 40% deixarão com uma opinião mais negativa da empresa.

A reputação pode ter peso maior do que o dinheiro. Quando os candidatos a emprego foram perguntados se eles considerariam um salário que é de 5% menor do que o salário mais baixo aceitável, um número significativo respondeu que dependeria da imagem da empresa.

O estudo revela que 68% aceitariam um salário mais baixo se o empregador criasse uma boa impressão através do processo de contratação. O desafio revelado pelo estudo é que 29% dos candidatos não acham que os empregadores deixam uma boa impressão ao reforçar que suas empresas são um bom lugar para trabalhar.

Os candidatos também disseram que aceitariam um salário mais baixo se a empresa tivesse comentários extremamente positivos na internet (67%) ou se a empresa tivesse notícias positivas na mídia recentemente (65%).

Quase metade (46%) dos trabalhadores disseram que a reputação e a marca da empresa desempenham um papel muito importante na decisão de se candidatar a uma vaga dentro da organização.

Falta de resposta pode ter um efeito dominó. Um estudo anterior mostrou que os candidatos a emprego que não têm feedback do empregador são mais propensos a parar de comprar produtos ou serviços da empresa. Nesse estudo, 62% dos candidatos disseram que não receberam feedback da empresa. Por outro lado, 56% dos empregadores admitiram que não respondem a todos os candidatos ou acusam o recebimento das suas aplicações, e 33% disseram que não retornaram aos candidatos que não foram escolhidos para a vaga após a entrevista.

Flexibilidade é lei. Os candidatos a emprego estão colocando uma ênfase maior sobre a capacidade de uma empresa de fornecer equilíbrio entre trabalho e vida pessoal quando estão considerando uma oferta de emprego. O estudo mostra que 72% dos trabalhadores consideram importante que a empresa ofereça horários flexíveis quando eles estão decidindo se aceitam a vaga. Outros 44% disseram que é importante que a empresa ofereça opções de teletrabalho ou home office.

Fonte: G1