Copa do Mundo deve gerar mais de 47 mil vagas no turismo,diz dados da CNC

Setor de alimentação deve ser responsável por 16,1 mil oportunidades

A Copa do Mundo deste ano deve ampliar a oferta de vagas em 47,9 mil entre os meses de abril e junho nos estados que abrigam as cidades-sede do mundial, segundo pesquisa da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC).

Esse número equivale a 38,1% das 125,8 mil vagas criadas no Brasil em todo o ano de 2013 e a 35,2% daquelas esperadas para 2014. Os estados que vão sediar o mundial criaram 29,5 mil postos de trabalho celetistas no turismo no segundo trimestre de 2013. Além da projeção da Embratur, a pesquisa considerou o fluxo de passageiros nos principais aeroportos e dados do Ministério do Trabalho e Emprego (Caged).

As oportunidades serão para os serviços de hospedagem, de alimentação, de transporte, agências de viagens e serviços culturais e recreativos para atender o aumento do fluxo turístico no país.

De acordo com estimativa da Embratur, a Copa do Mundo deverá gerar um fluxo de 3,6 milhões de turistas, número equivalente à metade do total de visitantes nacionais e estrangeiros que deverão circular pelo país em 2014, segundo estimativas do Ministério do Turismo.

O segmento de serviços de alimentação, como bares e restaurantes (principal segmento turístico) deverá responder pela maior parte da geração do emprego no turismo, com 16,1 mil vagas, equivalente a 33,5% do total. Nesse ramo, o salário médio nacional deve chegar a R$ 935.

Em seguida, devem vir os serviços de transporte de passageiros, com previsão de abertura de 14 mil empregos (29,2% do total) e salário médio de R$ 1.449.

Hotéis, pousadas e similares deverão ofertar 12,3 mil vagas (25,7%) com vencimento médio de R$ 900. Juntos, esses três segmentos deverão responder por 88,4% do total de vagas a serem criadas.

Serviços culturais e recreativos, como casas de espetáculos, parques e arenas esportivas, têm perspectiva de abertura de 3,8 mil vagas com remuneração média de R$ 1.397.

Já o segmento de agências de viagens deverá oferecer a maior remuneração média, de R$ 1.626, mas apenas 3,6% dos empregos vinculados à Copa do Mundo (1,7 mil) devem ser preenchidos por este segmento.

Fonte: G1