Desemprego ficou em 6,2% durante 4º trimestre de 2013, traz dados do IBGE

Pnad Contínua" mostra emprego a cada 3 meses em 3.500 municípios

O Brasil fechou o ano de 2013 com uma taxa de desemprego de 6,2%, segundo dados divulgados nesta quinta-feira (10) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O dado, referente ao quarto trimestre, faz parte da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua, que substituirá a tradicional Pnad anual e a Pesquisa Mensal de Emprego (PME). O novo indicador mostra um desemprego maior que o calculado pela PME, que fechou o ano em 4,3%.

Com isso, a taxa média de desemprego em 2013 ficou em 7,1%, inferior a de 7,4% registrada em 2012.

O IBGE estima em 6,052 milhões o número de brasileiros desempregados entre outubro e dezembro de 2013. Entre os ocupados no período, 69,6% eram empregados, 4,1% empregadores, 23,2% pessoas que trabalharam por conta própria e 3,1% trabalhadores familiares auxiliares.

A Pnad Contínua também mostrou que o desemprego era de 6,9% no terceiro trimestre do ano passado ? os dados da PME mostravam taxa de 5,4% em setembro daquele ano. A diferença na taxa de desemprego registrada pelas duas pesquisas acontece porque a Pnad Contínua abrange 3,5 mil municípios, enquanto a PME coleta dados apenas em seis regiões metropolitanas ? onde o desemprego tende a ser menor.

Sexo, idade, escolaridade

Segundo a pesquisa, o percentual de mulheres na população desocupada foi superior ao dos homens. No 4º trimestre de 2013 elas representavam 53,4% dessa população.

Em todas as regiões, o percentual de mulheres na população desocupada era superior ao

de homens. Na Região Centro-Oeste, a participação das mulheres era ainda maior: elas

representavam 55,8% das pessoas desocupadas.

Por faixas etárias, a maior parcela dos desocupados no período era composta por adultos entre 25 e 39 anos. Os jovens entre 14 e 17 compunham uma fatia de 9%. Já a população entre 18 e 24 anos eram 33% do total de desempregados.

Do total de desempregados, 50% tinham concluído pelo menos o ensino médio. Cerca de 26,8% não tinham concluído o ensino fundamental. Aquelas com nível superior completo representavam 8%.

Conheça o novo índice

Enquanto a PME pesquisa a cada mês a situação do mercado de trabalho em seis regiões metropolitanas (Porto Alegre, Belo Horizonte, São Paulo, Rio de Janeiro, Recife e Salvador), a Pnad Contínua vai mostrar o cenário do emprego a cada três meses em 3.500 municípios de todas as regiões do país, incluindo áreas rurais, em um total de 211.344 domicílios visitados.

Já Pnad (anual, a antiga) pesquisa por ano 1.100 municípios, com 147.203 entrevistas. Ela apresenta as características demográficas e socioeconômicas da população (sexo, idade, educação, trabalho e rendimento, e características dos domicílios). Com a ampliação da pesquisa sobre emprego para as áreas rurais, segundo o instituto, a Pnad Contínua vai oferecer resultados inéditos.

Com metodologias, escopos e enfoques diferentes, os resultados da Pnad Contínua, da Pnad ? que começou em 1992 ?, e da PME ? que teve início em 2002 ? não poderão ser comparados.

Ao contrário da PME, que considera a população em idade ativa acima de 10 anos, a Pnad Contínua leva em conta a força de trabalho dos indivíduos acima de 14 anos, idade permitida pela lei para o trabalho. Cada domicílio é visitado pelos pesquisadores cinco vezes, com visitas a cada dois meses.

Já a PME vai ao mesmo domicílio quatro vezes consecutivas. Entre os 3.500 municípios pesquisados, estão as 26 capitais e o Distrito Federal. As principais características investigadas se referem ao trabalho na semana em que a pesquisa é feita. Os entrevistadores perguntam sobre ocupação, atividade, posição e categoria de emprego, rendimento mensal do trabalho, horas trabalhadas, local, contribuição para o INSS e características de trabalhos secundários. São questionadas, ainda, as características do trabalho no período do ano, a procura por vagas e o rendimento de outras fontes.

Na primeira visita, os pesquisadores ainda fazem questionamentos sobre cuidados pessoais, trabalho voluntário, afazeres domésticos e trabalho para o próprio consumo.

A PME será realizada somente até dezembro deste ano, quando será extinta e substituída de vez pela Pnad Contínua.

Fonte: G1