Em alta, vídeo já é usado  em 60% das seleções para emprego no BR

Em alta, vídeo já é usado em 60% das seleções para emprego no BR

Segundo PGi, entrevista por videoconferência cresceu 49% desde 2011

O jeito de balançar a cabeça, de fazer contato com os olhos e até a inclinação do corpo podem fazer a diferença durante uma entrevista por videoconferência, segundo pesquisa do PGi, um provedor de software de webconferência. Segundo a empresa, a linguagem corporal pode determinar até 80% da decisão final durante a seleção.

O uso da ferramenta cresceu 49% desde 2011 no mundo, e ela é utilizada por 6 entre 10 recrutadores para selecionar candidatos, de acordo com o PGi.

Segundo o PGi, 74% dos recrutadores dizem que entrevistas em vídeo fazem seu trabalho mais fácil, 88% acreditam que as entrevistas online ajudam a economizar dinheiro, e 90% dizem que a modalidade ajuda a preencher o cargo vago mais rapidamente.

Já entre os candidatos, 66% preferem utilizar o vídeo durante o processo de entrevista.

A empresa listou atitudes em que a linguagem corporal passa diferentes tipos de mensagens para quem está do outro lado da tela. No caso de atitudes positivas, o recrutador vê impressões de compreensão e confiança. Já entre as atitudes negativas, o candidato pode mostrar confusão e desconforto.

Veja lista com atitudes positivas e negativas e a impressão que cada uma transmite:

1) Enquadre seu rosto

Ajuste a webcam para mostrar apenas a partir da metade do tronco até o topo da cabeça.

2) Arrume o cenário

Teste a iluminação e certifique-se de que ambiente esteja arrumado e que não tenha elementos que possam distrair ou deixar o recrutador confuso.

3) Não demonstre inquietação

Além de revelar ansiedade, o candidato ainda corre o risco de abafar o áudio.

4) Faça contato com os olhos

Olhe diretamente para a câmera enquanto estiver falando, não olhe para o monitor.

5) Vista-se adequadamente

Arrume o cabelo e se vista profissionalmente.

6) Confie na tecnologia

Teste a ferramenta e pratique antes da entrevista para ficar confortável com a tecnologia e evitar surpresas.

Fonte: G1