Empresas diversificam os benefícios para reter funcionários, diz pesquisa

Entre itens oferecidos estão celular, notebook, estacionamento e carro

A edição 2013 do Guia Salarial da Hays, consultoria de recrutamento para a média e a alta gerência, em parceria com o Instituto de Ensino e Pesquisa - Insper, mostra que as empresas consideram os benefícios não salariais uma ferramenta importante para o recrutamento e retenção de profissionais.

Entre as mais de 700 empresas entrevistadas, durante o ano passado, a pesquisa revela que 94,5% dos empregadores consideram os benefícios não salariais uma ferramenta importante para contratar e segurar funcionários - 90,6% dos entrevistados informaram que passaram a investir em benefícios. No ano anterior, o percentual era de 82,8%.

Entre os itens oferecidos estão telefone celular (74,6% das empresas disseram que oferecem), notebook (70,1%), estacionamento gratuito (64,3%) e carro (46,4%).

Os empregadores também aumentaram as opções de benefícios: seguro saúde é concedido por 90,4% dos entrevistados; seguro de vida, por 86,9%; seguro odontológico, por 79,8%; previdência privada, por 52,5%.

Em linha com a necessidade de desenvolvimento e capacitação profissional, os investimentos em bolsas ou auxílio financeiro para estudos continuam altos. Quase metade dos entrevistados (49,6%) declarou oferecer bolsa ou auxílio financeiro para cursos de idiomas (aptidão considerada importante para 77,7% da amostra). Outros 46,3% oferecem bolsa para outros estudos, que excluem idiomas.

Além disso, 98,8% dos empregadores acreditam que a fluência em inglês é um diferencial. A fluência em espanhol ganhou preferência de 50,8% dos empregadores.

Com a maior oferta de benefícios, mais de um terço das empresas consultadas (35,94%) aumentou o investimento financeiro em RH durante o ano de 2012.

?A escassez de talentos fez com que as empresas alavancassem seus benefícios para os empregados. Hoje, é muito importante ter o mix certo para contratar e também para reter. Alguns deles, como seguro saúde e odontológico, e seguro de vida, a grande maioria das empresas já oferece. Tê-los não é vantagem, e não tê-los significa desvantagem. Outros benefícios menos comuns como carro da empresa, auxílio-educação e auxílio-idiomas estão cada vez mais requisitados. Estes últimos podem ser diferenciais, já que a principal razão para uma mudança de empresa é o desenvolvimento profissional e pessoal?, diz Juliano Ballarotti, diretor da HAYS em São Paulo.

Fonte: G1