Enem terá a sua segurança reforçada para ter menos fraudes, afirma MEC

Detectores de metais serão disponibilizados aos fiscais, que poderão utilizá-los caso desconfiem que algum candidato

O ministério da Educação (MEC) informou que vai endurecer os procedimentos de revista e acesso às salas de prova para diminuir as tentativas de fraude na aplicação do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) deste ano, que ocorre nos dias 8 e 9 de novembro. Detectores de metais serão disponibilizados aos fiscais, que poderão utilizá-los caso desconfiem que algum candidato esteja portando equipamentos eletrônicos durante a realização do exame, especialmente celulares, utilizados para postar fotos das provas na internet.

"A menos que (o candidato) mostre justificativa de que não possa ser feita detecção, terá que fazer a detecção sempre que o fiscal ache necessário. Iremos manter e ampliar o rigor em todos esses casos. Nós ano passado tivemos rigor com essas situações, como o afastamento de vários participantes. Os detectores de metais são iniciativa no sentido de tornar impossível a pessoa entrar com aparelho celular", alertou o ministro da Educação, Henrique Paim.

Acessibilidade

Uma das novidades dessa edição é que o edital foi traduzido em libras, a língua brasileira de surdos, para aumentar a acessibilidade dos estudantes cegos e surdos. O site do Enem terá uma versão do edital incorporado a um sistema de computação acessível para deficientes, chamado Dosvox. As regras serão divulgadas na edição do Diário Oficial desta sexta-feira.

"Nós sabemos o quanto o Enem é importante pro País do ponto de vida de oportunidades. Há uma grande responsabilidade do MEC na produção desse processo. O atendimento especializado, como prevê o edital, será oferecido a pessoas com baixa visão, cegueira deficiência física, surdos, com deficiência mental, intelectual, déficit de atenção, entre outros", afirmou Francisco Soares, presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep).

Exame Nacional do Ensino Médio

Em 2013, cerca de 5 milhões de estudantes fizeram o Enem. A nota do exame pode ser usada para participar de programas como o Sistema de Seleção Unificada (Sisu), que disponibiliza vagas no ensino superior público; o Programa Universidade para Todos (ProUni), que oferece bolsas em instituições privadas; e o Sistema de Seleção Unificada do Ensino Técnico e Profissional (Sisutec), que destina a estudantes vagas gratuitas em cursos técnicos.

O Enem é também pré-requisito para firmar contratos pelo Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) e para a obter bolsas de intercâmbio pelo Programa Ciência sem Fronteiras.

Fonte: Terra