Estudantes de Teresina se dividem entre concursos e universidade

Estudantes de Teresina se dividem entre concursos e universidade

Já faz parte da rotina de muitos estudantes a jornada dupla de estudos.

O estudo é a principal maneira de melhorar a qualidade de vida, seja se preparando para fazer concurso público, seja cursando uma faculdade ou universidade bem conceituada. Mas para que isso aconteça, precisa-se muita preparação, já que não é fácil vencer os concorrentes do concurso público ou do vestibular em questão.

Atualmente, muitos estudantes se veem nessa situação, e na tentativa de abrir mais possibilidades de crescimento e obter a estabilidade da carreira, eles acabam encarando jornadas duplas de estudo para passar no vestibular ou cursar uma faculdade e ainda estudar para os consursos públicos. Toda essa dedicação exige muito tempo, além de recursos financeiros e esforço mental constante.

Encontrar quem viva essa realidade não é difícil. Flávio Alexandre de Carvalho é exemplo disso. Aos 20 anos, ele é estudante de Direito da Universidade Estadual do Piauí (UESPI) e trabalha como estagiário no Ministério Público do Estado do Piauí. Além dessas duas tarefas, ele ainda passa parte do seu tempo estudando para concursos.

O graduando revela que, naturalmente, estudar para concurso é uma tarefa árdua. Manter o foco é o principal dilema de quem se prepara para a carreira pública, sobretudo quando se trata de pessoas envolvidas em diversas atividades.

"Com o passar do tempo se adquire maturidade quanto aos assuntos que merecem destaque na preparação; Além, claro, de maturidade pessoal, que consiste em agir com determinação na busca do objetivo maior: a aprovação.

Com disciplina, foco e maturidade, aproveito pequenos espaços de tempo no dia. Neles, faço questões, assisto a videoaulas, interajo nos fóruns de concursos de todo o Brasil, por exemplo. Nisso tudo, ainda reservo algumas horas para o estudo aprofundado (normalmente, as horas que antecedem o sono noturno). O segredo mesmo é aproveitar todo o tempo, focar, e não se deixar dispersar. Obviamente, não dá para render 100% todo dia, mas somente a continuidade leva ao sucesso", comenta.

Ainda segundo o estudante, os concursos e o Ensino Superior possuem vantagens e andam paralelos. Ele coloca que não se deve dizer que fazer concurso é mais promissor do que cursar o Ensino Superior, porque os melhores concursos exigem formação acadêmica. "Ter curso superior tornou-se trivial. As provas de títulos eliminam muita gente e os concurseiros têm uma formação cada vez mais robusta (especialização, mestrado...)", acrescenta, ao ressaltar que escolheu fazer concurso porque, dentre todas as opções que o mundo jurídico oferece, a carreira pública sempre o atraiu mais.

"Sonho em ser promotor de Justiça, mas quero me estabilizar antes, justamente para ter mais tranquilidade na preparação para este objetivo maior. Agora, foco em concursos para analista e na OAB, até porque o concurso para promotor exige 03 anos de prática jurídica", completa.

Preparação dupla gera desgaste mental

Outra situação bastante comum, hoje, são os jovens começarem a ter jornada dupla de estudo logo após o término do ensino médio. É nessa hora que muitos estudantes, que muitas vezes estão ainda se preparando para entrar numa instituição de nível superior, já sentem a necessidade de conseguir uma renda segura, através dos concursos públicos.

A estudante Leonnara Oliveira decidiu seguir esse caminho. Ela está se preparando para o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) e para o Concurso do Hospital Universitário da UFPI (HU). A jovem acorda às 8h da manhã, organiza a casa e vai acessar sites, para ficar atualizada. Depois do almoço, às 14h, começa a rotina dos estudos em si. "Até as 17h eu fico estudando, depois dou uma pausa e volto a estudar de meia-noite até as 3h", coloca Leonnara ao ressaltar que vai começar um cursinho Pré-Enem em fevereiro.

"Quando chegar nesse período, acho que será melhor para mim, pois vou ter mais apostilas e a orientação dos professores. Ainda não sei como vou fazer para organizar os estudos do conteúdo do concurso, porque meu foco maior tá sendo nele, já que a prova será em março. Depois do concurso que vou focar mais no Enem", acrescenta.

De acordo com a psicóloga Mariane Siqueira, em meio a esse cenário, um jovem que tenta se preparar para um vestibular e para um concurso público ao mesmo tempo acaba perdendo o foco, o que gera angústia e ansiedade, uma vez que só a entrada numa instituição de nível superior já é um ritual de passagem muito importante. Mas isso não quer dizer que não podem conseguir. Podem, mas, é claro que terão perdas significativas tanto nos aspectos psicológicos quanto nos aspectos físicos (o desgaste físico que qualquer preparação para concurso exige).

"Nesse momento ele vivencia vários aspectos positivos e negativos dessa experiência. Um novo contexto, no caso de jovens que saem da casa dos pais para ingressarem numa faculdade em outra cidade, as novas responsabilidades, a certa "independência" que a faculdade proporciona. Então, chocar esse momento com uma outra experiência que também se caracteriza como ritual de passagem, que é o ingresso efetivo no mercado de trabalho, acaba por gerar conflitos, angústias, ansiedade e o próprio desgaste físico e Retranca: Preparação dupla gera desgaste mental.mental que duas atividades exigem", acrescenta a especialista.

Os preparatórios não tratam os mesmos assuntos, disciplinas e isso resulta em um grande desgaste mental, quando o jovem tem que se preparar para prestar um vestibular e um outro concurso público. A psicóloga comenta ainda que a ansiedade gerada naturalmente pela expectativa de quais assuntos irão cair na prova, em quais assuntos se sente mais preparado é duplicada, podendo gerar um stress ou uma patologia mais grave. "Então é preciso que o jovem que precise enfrentar essa dupla jornada faça um plano de estudo organizado, bem elaborado, para que não sofra as sequelas da sobrecarga de informações e de ansiedade geradas", finaliza.

"Sucesso depende das renúncias"

A preparação para concurso não é muito rápida e é difícil manter um bom rendimento quando se tem outras tarefas.

Para alguns, o certo seria ter dedicação total em apenas um dos projetos. Para outros, a decisão de se dedicar a essas atividades depende do fator de necessidade. Muitos estudantes, por exemplo, passam por problemas financeiros e o concurso pode resolver.

"Se o aluno tem como se manter, então poderá se dedicar aos estudos da faculdade e logo após a conclusão focar nos concursos. Inclusive com o curso superior poderá concorrer para cargos com melhores salários. Outra situação é quando o aluno está bem no comecinho da faculdade. Talvez seja sensato trancar e se dedicar aos concursos, com mais possibilidade de avançar até a vaga e, assim que for aprovado, voltar para a faculdade. O que não pode é parar de estudar", acrescenta o professor de cursinho, Márcio Lima.

Ao fim de tudo, o resultado desse processo vai depender da dedicação e envolvimento. "O sucesso não depende da escolha e, sim, das renúncias. Aproveitar melhor o tempo, descansar, boa alimentação, pensamentos positivos, fazer atividade física e disciplina são fatores que vão determinar quanto e quando ele conseguirá a vitória", finaliza Márcio.

O graduando e concurseiro Flávio Alexandre de Carvalho concorda com o professor Márcio. "É preciso sacrificar algumas coisas: limitar as saídas, convívio com os parentes, amigos... Neste carnaval, por exemplo, não irei viajar porque preciso estudar para a 1ª fase da OAB, que será em abril. Entretanto, pelo fato de querer muito alcançar meus objetivos, não sou frustrado por ter que abrir mão de alguns "prazeres" agora. No futuro, eles virão em dobro!", finaliza.

Plano de estudo equilibra horários

Seja pelo curso, estabilidade, mercado de trabalho, situação financeira, a vocação para a profissão escolhida e os planos para o futuro, os estudantes estão cada vez mais focados no sucesso profissional. O professor e coordenador de um preparatório em Teresina, Márcio Lima, afirma que isso acontece porque muitos não têm condições de pagar a faculdade, então passam em um concurso e com isso realizam seu sonho. Outros acham que somente a faculdade deixa muito tempo ocioso, então aproveitam e focam em algum concurso. E tem aqueles que estão cursando na faculdade um curso de que não gostam e tentam resolver sua vida logo no serviço público.

Em meio a isso, Márcio Lima afirma que é possível conciliar a faculdade ou universidade e a preparação para concursos. Mas para isso, o aluno precisa ter em mente que esta decisão não será fácil. Ele precisa saber que momentos difíceis vão acontecer, mas se ele persistir ele conseguirá levar os dois. "É possível e aconselhável , mas não é fácil. Essa rotina não está fora da realidade, faz parte da vida de muita gente hoje em dia, é mais comum do que possamos imaginar", completa o coordenador.

Para não confundir ou misturar os conteúdos, os estudantes precisam elaborar um plano de estudo. Enquadrar nos momentos livres as disciplinas do concurso e da faculdade. Caso o aluno trabalhe durante a semana e faça faculdade a noite, é indicado reservar o final de semana para o estudo de concurso, não esquecendo deixar um turno para descanso total.

"Se ele não trabalha e apenas estuda, é fácil organizar o seu plano de estudo. Aconselho que acorde mais cedo e aproveite pelo menos uma hora intensiva de estudos, aproveitar o espaço de tempo que restar nos intervalos de aulas, na chegada em casa vindo da faculdade até o momento de dormir; divida rigorosamente aquilo que é estudo do curso superior daquilo que seja estudo para o concurso, abra mão da maioria dos lazeres e prazeres costumeiros, aproveite as férias da faculdade para se dedicar ao estudo somente dos concursos", acrescenta.

Fonte: Aline Damasceno