Graduados concorrem a vagas de nível médio em concursos públicos

As remunerações atraentes também exercem papel importante nessa tendência.

A estabilidade dada pelo concurso público leva muitos candidatos que têm graduação a prestarem provas de nível médio. Especialistas destacam que essa pode ser uma forma de se preparar e de adquirir as habilidades necessárias para concorrer a um cargo de nível superior, uma vez que os conteúdos básicos e o estudo voltado a esses certames diferem do que é ensinado nas universidades.

As remunerações atraentes também exercem papel importante nessa tendência. O salário do último concurso do Ministério do Trabalho e Emprego para nível superior, por exemplo, não chega a R$ 4 mil, enquanto que o de nível médio é superior a R$ 2,5 mil, para jornadas de 40 horas semanais. Já a seleção da Fundação Universidade de Brasília (FUB) ofereceu salário de pouco mais de R$ 3 mil aos candidatos com graduação. O Metrô-DF, por sua vez, pagará R$ 2,9 mil a concursados de nível médio.

O professor de lei orgânica e direito do consumidor do Grupo Impacto Rodrigo Francelino acredita que o salário é mesmo o fator que mais atrai os graduados a concursos de nível médio. ?Imagine trabalhar na Caixa Econômica Federal ou no Banco do Brasil: são seis horas diárias e um total no fim do mês de quase R$ 4 mil, ao juntar salário e benefícios. Quase todas as carreiras iniciais na iniciativa privada não pagam nem perto disso?, exemplifica. Ele explica ainda que o estudo acadêmico é bem diferente da preparação para concursos, por isso, quem completa a graduação nem sempre está pronto para ingressar num cargo público de nível superior. ?Muitas faculdades não estão preocupadas com o ensino de qualidade. Há casos também em que o candidato vai muito bem na parte específica das provas, mas não possui domínio dos conhecimentos básicos cobrados. Dessa forma, o concurso para nível médio é uma etapa inicial para que, depois, com estabilidade e tempo, a pessoa se prepare para seleções em nível superior?, conclui.

Mesmo formada em direito, Bianca Borges, 25 anos, trabalha no Senado Federal em um cargo de nível médio. Agora que alcançou a estabilidade financeira, terá tempo para estudar e concorrer a uma vaga que exija o diploma de graduação. ?Eu tinha até uma função comissionada no meu trabalho, mas abdiquei para ter tempo de estudar e entrar em uma carreira de nível superior na área jurídica. Quero unir o que gosto com um bom salário e, agora, de forma definitiva?, diz.

Cobrança

De acordo com Selma Frasão, professora de língua portuguesa para concursos há mais de 26 anos, as bancas já perceberam que candidatos de nível superior se inscrevem nos dois níveis, e até mesmo por isso não há muita distinção na cobrança das questões. ?Já vi casos em que questões de nível médio eram mais complexas que as de superior?, relata. Ela acredita que nem o ensino médio nem a faculdade preparam para concursos, somente em carreiras muito específicas, mas os conhecimentos básicos, como raciocínio lógico e informática, por exemplo, necessitam de um estudo direcionado. ?As abordagens são bastante diferentes. É preciso aprender a fazer concurso, pois, muitas vezes, existem questões maliciosas que induzem o candidato ao erro?, ressalta.

Já o professor e coach do Ponto dos Concursos Bruno Fracalossi diz que muitos candidatos se enganam ao pensar que o grau de dificuldade do concurso será menor por se tratar de uma seleção de nível médio. Como em muitos casos a concorrência é alta, a dificuldade em ser aprovado pode se tornar maior. A partir da experiência em sala de aula, o professor observa que pelo menos metade das pessoas que prestam concursos para nível médio têm diploma em alguma área. ?Nesses 50% que possuem graduação, os perfis mais típicos são de pessoas que estão insatisfeitas na iniciativa privada e decidem estudar para concurso e de pessoas que se formam e ficam desempregadas. A seleção em nível médio é apenas o primeiro degrau da escada profissional de pessoas que têm competência?, afirma.

Prós e contras de ser graduado e fazer uma prova de nível médio:

VANTAGENS

Estabilidade

Ser aprovado em um cargo de nível médio pode contribuir para que o concurseiro dedique mais tempo aos estudos e concorra a uma vaga de nível superior no futuro, além de ser uma porta de entrada para o primeiro emprego

Remuneração

Dependendo da carreira e do órgão, os salários de nível médio podem ultrapassar os de nível superior

Experiência

A experiência de trabalhar no funcionalismo público reforça os conhecimentos necessários para prestar outras provas, inclusive no mesmo órgão

DESVANTAGENS

Cobrança

Nem sempre as provas de nível médio são mais fáceis do que as de nível superior. Muitas delas são tão complexas quanto as de cargos mais altos, por causa da alta concorrência

Satisfação

Escolher uma carreira pública apenas pelo grau de dificuldade da seleção ou do salário pode causar insatisfação e frustração, o que prejudica a busca por um novo cargo

Acomodação

Se a meta é alcançar um cargo de nível superior depois, nunca se deve parar de estudar, pois o conteúdo aprendido para a prova de nível médio se perderá facilmente

Fonte: CorreioWeb