BR: Homens recebem mais aumento salarial do que mulheres, diz pesquisa

Segundo estudo, mulheres têm que mostrar interesse por premiação

Levantamento da Catho mostra que os homens têm mais aumento salarial do que as mulheres. Das 53.622 pessoas que responderam à pesquisa, 35,9% dos homens dizem ter conseguido maior remuneração, enquanto o percentual para mulheres ficou em 32,3%. No geral, 34,5% dos entrevistados tiveram aumento de salário.

A premiação por bom trabalho e performance é o motivo mais comum do aumento (41,1% para homens e 36,9% para mulheres). Em seguida vêm promoção de cargo (27,4% para homens e 27,7% para mulheres) e aumento geral na empresa (17,3% para homens e 19,2% para mulheres).

De acordo com Telma Souza, diretora de RH da Catho, é comum as mulheres terem que se posicionar para conseguir um reconhecimento salarial. ?Os homens muitas vezes recebem aumento pelo potencial e as mulheres, por vezes, só depois que demonstram que merecem".

Família e carreira

As mulheres ainda passam menos tempo no trabalho do que os homens. De acordo com a pesquisa, os entrevistados trabalham em média 44,2 horas por semana, sendo que a média para os homens é de 45,1 horas, e das mulheres é de 43,2 horas.

?Este é um tema que toda mulher debate. Como dar atenção a filhos, casa e também ao trabalho. O importante é traçar prioridades e saber os seus limites?, ressalta Telma.

Do total das entrevistadas, 53% afirmaram que deixaram o mercado de trabalho para ser mãe. Em média, a mulher demora de 1 a 2 anos para retornar ao mercado de trabalho. Telma diz que é muito comum a mulher escolher o melhor momento para ser mãe conforme a carreira.

Os benefícios também são muito valorizados pelos profissionais. Para as mulheres, assistência médica e auxílio alimentação/refeição têm um peso relevante. Já entre os homens, assistência médica também é importante, assim como participação nos lucros.

A Pesquisa dos Profissionais Brasileiros de 2013 foi feita com profissionais de 1.677 cidades. Do total de respondentes, 56,6% estão empregados; sendo que 35,9% são de grandes empresas (com mais de 500 funcionários). A pesquisa foi feita no período de 24 de fevereiro a 18 de março de 2013. Os dados foram apresentados nesta segunda-feira (19) no primeiro dia do Conarh.

Fonte: G1