Índice de contratação no Brasil será de 16% no 1º tri de 2014, diz pesquisa

País é apontado como 7º no mundo com melhor expectativa de emprego.

A pesquisa "Expectativa de Emprego no Brasil", do ManpowerGroup, consultoria de soluções de gestão e contratação de pessoas, mostra que o Brasil foi apontado como 7º no mundo com a melhor intenção de contratação. O índice será de 16% para o primeiro trimestre de 2014.

O levantamento, que avalia a perspectiva de contratação das empresas brasileiras para os meses de janeiro, fevereiro e março de 2014, aponta que os empregadores esperam um ritmo de contratação positivo.

O estudo aponta quais empregadores irão aumentar ou diminuir o número de funcionários em centros de trabalho e também por regiões, como São Paulo, Paraná, Minas Gerais e Rio de Janeiro. A pesquisa é realizada globalmente com mais de 65 mil empregadores de 42 países e regiões.

Enquanto 21% das empresas brasileiras esperam aumentar as folhas de pagamento, 11% antecipam uma queda em seus quadros e 68% acreditam que vão manter suas equipes intactas. Com os dados ajustados, permitindo a variação sazonal, o índice da intenção de contratação é de 16%. A taxa é 3% inferior ao último trimestre de 2013 e ainda é o mais baixo desde que a pesquisa começou no Brasil, no 4º trimestre de 2009. A pesquisa detalha a resposta de 850 empregadores brasileiros.

"Apesar de as intenções de contratação no Brasil sofrerem uma diminuição em relação aos outros trimestres, o que era esperado, a taxa (16%) ainda reflete um clima favorável para contratações para os primeiros três meses de 2014, deixando o país entre as dez melhores intenções no mundo", afirma Riccardo Barberis, CEO do ManpowerGroup Brasil.

Taiwan é o país com a maior expectativa de emprego no mundo, com 39%. A Índia ficou em segundo lugar com 33%. Em seguida está a Nova Zelândia, com 21%. A Colômbia garantiu o quarto lugar com 19%. E Cingapura ficou com o quinto lugar com 19%. Completam a lista de 10 países: Japão (17%), Brasil (16%), Peru (16%), Turquia (16%) e Hong Kong (14%).

"A taxa de desemprego vem caindo com indícios que deve terminar 2013 menor do que em 2012. A oferta de trabalhadores qualificados disponíveis no mercado é baixa, já que a maioria está empregada, estimulando as organizações a investirem mais na formação de quem está na empresa, ao invés de sair no mercado, onde o custo e demora pela busca do profissional serão altos", acrescenta Barberis.

Fonte: G1