INSS:  2 mil vagas não suprem necessidade, aponta relatório

INSS: 2 mil vagas não suprem necessidade, aponta relatório

De acordo com a nota técnica, ficaram vagos 1.107 cargos em 2010, 835 em 2011, 906 em 2012 e 405 até abril de 2013

O Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) aguarda autorização do Ministério do Planejamento para abrir concurso visando ao preenchimento de 2 mil vagas de técnico do seguro social, cargo que exige o nível médio. Mesmo que a solicitação seja contemplada na íntegra o quantitativo não vai suprir as necessidades da autarquia, que precisará ter jogo se cintura para dar conta de suas atribuições e atender, de forma satisfatória ,os segurados e pensionistas do país.

De acordo com nota técnica encaminhada ao Planejamento, em meados do ano passado, para justificar a abertura de novos concursos, o INSS alegava que, no período entre 2010 e abril de 2013, havia uma vacância de 5.054 servidores, sendo 3.253 somente na carreira de técnico do seguro social. ?As vacâncias devem ser somadas às necessidades das agências da Previdência Social que não foram contempladas com servidores no concurso de 2011?, informa o documento, ao qual FOLHA DIRIGIDA teve acesso.

De acordo com a nota técnica, ficaram vagos 1.107 cargos em 2010, 835 em 2011, 906 em 2012 e 405 até abril de 2013, somente na carreira de técnico do seguro social. Como a média é de quase mil vacâncias por ano, tendo como base os número acima, estima-se que existam atualmente mais de 4 mil vagas em aberto para serem preenchidas somente nesta carreira. Assim como já havia sido informado pela Associação Nacional dos Servidores da Previdência e da Seguridade Social (Anasps) , a nota técnica ainda ressalta que ?existem mais de 10 mil servidores (incluindo analistas e peritos médicos) em abono de permanência, isto é, que já possuem condições para requerer aposentadoria?.

O pedido de novo concurso encaminhado ao Ministério do Planejamento, segundo o INSS, é de 3.080 vagas, sendo 2 mil para técnico do seguro social e 1.080 para perito médico. No entanto, a ministra do Planejamento, Miriam Belchior, teria dito a um grupo de parlamentares que irá autorizar o preenchimento de 1.500 vagas na primeira carreira. Já para a segunda, a seleção seria realizada em outra oportunidade. Para o presidente da Anasps, Alexandre Lisboa, o concurso precisa ser realizado urgentemente. ?Frente à atual necessidade, a realização de concurso é inevitável. Além da carência, há muitas aposentadorias previstas?, garantiu.

Independentemente da oferta de vagas que será autorizada pelo Ministério do Planejamento, os futuros candidatos devem manter a preparação em dia para obterem a melhor classificação possível. A grande carência de pessoal deve ser vista também como algo positivo, pois além da oferta estipulada em edital, certamente muitas outras deverão surgir durante o prazo de validade do concurso. Vale destacar que o INSS tem tradição de chamar muitos aprovados. No último concurso, realizado em 2012, para 1.500 vagas de técnico e 375 de perito médico, cujo prazo de validade terminou em abril deste ano, foram feitas 5.020 convocações (a seleção contou com 6.881 aprovados), ou seja, 133% além da oferta prevista em edital. Deste total, cerca de 90% das contratações ocorreram para o cargo de técnico. Já no concurso de 2008, quando foram oferecidas 1.500 vagas somente para técnico, 2.100 aprovados foram empossados.

O cargo de técnico tem remuneração de R$4.400,87 e o de perito médico, R$10.056,80. No último concurso para a primeira carreira, os candidatos foram avaliados por meio de prova objetiva com 60 questões, sendo 20 de Conhecimentos Gerais (Português, Regime Jurídico Único, Direito Constitucional, Direito Administrativo, Raciocínio Lógico e Informática) e 60 de Conhecimentos Específicos.

Fonte: PCI - Concursos