Jovens apostam no Exército para preparar ao mercado de trabalho

Jovens apostam no Exército para preparar ao mercado de trabalho

Seleção permite que profissionais atuem por sete anos na instituição

O trabalho para o Exército brasileiro tem se concretizado como uma opção profissional para os profissionais em início de carreira e também para os jovens, de 18 anos, que a partir de alistamento obrigatório descobrem na rotina caracterizada pelas regras rígidas e pela disciplina uma oportunidade para planejar a vida profissional e também pessoal.

A remuneração e a estabilidade, ainda que sejam por tempo pré-determinado, acabam sendo atrativas. Esses fatores pesaram na decisão do 3º sargento Rafael Colaço, de 30 anos, que integra a sede da 5º Região Militar, que fica em Curitiba. Ele entrou no Exército como técnico-administrativo, há um ano e meio, graças a um Processo Seletivo. O sargento Colaço sabe que daqui seis anos e meio ele terá que sair da instituição e já se prepara para esse dia. Os contratos são renovados anualmente e no final existe uma indenização calculada a partir do salário e do tempo que o profissional ficou no Exército.

?O que me chamou atenção na época foi a remuneração, que eu avaliei ser uma boa remuneração?, lembrou Colaço. Naquele momento, ele não sabia nada da instituição, e a escolha do Colaço causou estranheza entre familiares e amigos. O sargento comentou que todos questionavam o porquê entrar no Exército aos 28 anos.

O sargento destaca que quem ingressa no Exército por essa via precisa ter em mente essa questão do contrato temporário e aproveitar a estabilidade para se aprimorar. Isso significa, acrescentou, que a pessoa não pode se acomodar e agir para não ser ver defasado diante do mercado de trabalho, quando o contrato for encerrado.

?Eu incorporei na minha vida pessoal várias situações do âmbito militar que vão ser de muita válida lá fora, no mercado de trabalho também. Responsabilidade, cumprimento de missão, cumprimento de horário, liderança... São vários aspectos que a gente incorpora e traz para a vida profissional. Isso foi de grande valia?, explicou.

Para ele, é uma troca justa. ?Eu aprendo muita coisa no Exército e disponibilizo a minha mão de obra profissional. Durante este período, qual é o meu foco? Concurso público e aperfeiçoamento profissional. Então, eu traço um paralelo. Vou continuar estudando, eu me formei no meio do ano em Administração, e vou segui com aperfeiçoamento profissional?, disse.

Uma possibilidade cogitada por Colaço é estudar para o concurso público do Exército. A única opção para ele é ser aprovado para a Escola de Administração do Exército, que fica em Salvador (BH), e assim, se formar como oficial do Exército. ?Eu vou tentar?, pontuou.

Segundo o sargento, todo mundo tem que avaliar qual momento profissional atravessa. ?Se você for pensar em aspecto salarial, o Exército é totalmente competitivo. E você tem a tranquilidade de poder se doar e planejar?. Colaço comenta que, no caso dele, graças à estabilidade do Exército conseguiu planejar a compra da casa própria e do carro, o que talvez não se sentisse seguro para assumir um financiamento caso estivesse na iniciativa privada.

Essa troca mencionada por Colaço também é valorizada pelo 3º sargento Maurício Duarte Gomes, de 22 anos, que entrou no Exército com 18 anos disposto ao serviço militar. ?Eu queria conhecer, tinha curiosidade. Minha mãe não gostou muito não, tinha medo?, contou.

Durante quatro meses, Duarte participou da ocupação do Complexo do Alemão, no Rio de Janeiro, para a implantação da primeira Unidade de Polícia Pacificadora (UPP). Ele acredita que a experiência foi marcante e que levará consigo para a vida toda. ?São muitos os aprendizados: persistência, valores da sociedade, civismo, responsabilidade?, citou.

O sargento destacou que o que foi mais impactante foi o contexto social, que encontrou durante a ocupação. ?São muitas as crianças evolvidas, muita família desestruturada por causa do tráfico de drogas. As pessoas não estavam acostumadas com militares. Estavam acostumados com uma vida sem regras, os militares eram estranhos. Depois, com um tempo, lá pelo terceiro mês, eles pensaram que a gente não estava para o mal, estavam para o bem. Eu tive a oportunidade de uma mãe agradecer: "obrigada por vocês estarem aqui. Se vocês não estivessem aqui, em estaria em casa rezando para o meu filho chegar vivo"?, lembrou.

Para Duarte, a passagem pelo Exército reflete no caráter e ajuda a amadurecer. Ele se considera diferente dos jovens de mesma idade que não sabem o que querem da vida, que rumo seguir. ?Eu passei por treinamento, eu tive a oportunidade de ir para o Rio de Janeiro, então, já comecei a me direcionar e amadureci. Não foi precoce, mas foi mais rápido?.

O sargento faz faculdade de Direito e confessar ter receio do momento em que terá que sair do Exército, porém, ressalta que se prepara para seguir a vida civil. ?O receio sempre existe, é natural com a mudança. Existe um receio de como eu vou encarar a sociedade depois, mas estou me preparando?, disse.

Jovens reflete a sociedade

Há 19 anos no Exército Brasileiro, o capitão Abreu afirma que por meio do alistamento militar, obrigatório para os homens que completam 18 anos, é possível perceber a mudança de valores da sociedade.

?É notório. [Os adolescente] Chegam sem a mínima noção de civismo. Muitos jovens chegam ao quartel sem saber cantar o hino nacional. Muitos não têm respeito por pessoas mais velhas?, comentou. O capitão considera que o jovem é um espelho da sociedade e que, anualmente, reflete também o aumento do uso de drogas nas cidades.

Ele avalia que falta educação e que isso acarreta em uma maior dificuldade do jovem, que foi selecionado para o serviço militar. Logo que ingressa, o jovem passa pelo período de adaptação no qual é repassado um grande volume de instrução militar. É justamente nesta fase, que dura de duas a quatro semanas, que, na avaliação do capitão Abreu, aquele jovem sem referências, tem dificuldade.

?Ele vai aprender hierarquia e disciplina, ordem unida, noções de civismo, e várias atividades que vão buscar formar a personalidade militar, que vai tirar aquele jovem que veio da vida civil e vai dar carga para que ele saiba como se enquadrar no quartel?.

Processo seletivo aberto

A 5ª Região Militar e 5ª Divisão do Exército Brasileiro está com processo seletivo aberto para compor o cadastro reserva de pessoal para Oficial Técnico Temporário, Sargento Técnico Temporário, Cabo Especialista Temporário. As vagas são para Curitiba, Florianópolis e Lages (SC). A remuneração liquida é de aproximadamente R$ 4.800,00. As inscrições são gratuitas, e podem ser realizadas exclusivamente de maneira presencial, até o dia 01 de novembro de 2013, mediante entrega dos documentos listados no edital.

Os candidatos do processo seletivo serão avaliados a partir de análise curricular, prova escrita, inspeção de saúde, prova prática, entrevista, prova de aptidão física. A prova escrita está marcada para 13 de novembro.

Fonte: G1