MP da Paraíba investiga concurso público com pergunta sobre miss

Promotor disse que questões do concurso público podem ser anuladas. Organizadora da prova afirma que não existem irregularidades.

O Ministério Público da Paraíba confirmou nesta sexta-feira (11) que está apurando a existência de possíveis irregularidades no concurso público da prefeitura de Santana de Mangueira, Sertão do estado. A prova, aplicada no dia 29 de setembro, trouxe perguntas que abordavam assuntos como a eleição de miss da cidade e a data em que uma agência dos Correios foi assaltada. Segundo o promotor de Justiça de Conceição, Pedro Henrique Andrade, existe a possibilidade do MP pedir a anulação das questões.

O promotor disse que foi relatado ao Ministério Público, por um candidato, que algumas das questões foram suspostamente direcionadas para beneficiar candidatos residentes em Santana de Mangueira. Com isso, ele solicitou à organizadora do concurso o envio da cópia de cada tipo de prova aplicada para análise e após serão tomadas as providências.

?Caso seja verificado que as questões ofenderam os princípios que regem o concurso público, tais como a impessoalidade, igualdade, julgamento objetivo, moralidade administrativa, vinculação ao edital, supremacia do interesse público na escolha dos candidatos mais qualificados, etc, o Ministério Público irá adotar as medidas cabíveis para que as questões viciadas sejam anuladas?, afirmou Pedro Henrique Andrade.

O professor de história Everton José Maciel já havia dito ao G1 que tinha procurado o Ministério Público para pedir que a elaboração do concurso fosse investigada. "O edital coloca conhecimentos da Paraíba, do Brasil e sobre a cidade, mas as questões não possuem relação direta com a história de Santana de Mangueira?, disse o professor.

O concurso de Santana de Mangueira foi organizado pela Real Concursos - Consultoria e Serviços Ltda. Ao G1, o diretor-presidente da empresa, Ênio Alves, afirmou que não há nada de errado na elaboração das provas. Segundo ele as perguntas sobre escolha de miss, assalto e outras estão dentro dos temas colocados no edital. ?O que está no edital, ele (candidato) tem que estudar, não pode dizer que a prova vai beneficiar A, B ou C não. Ele poderia estar em Conceição, em Pernambuco, ou em qualquer outro lugar, mas tem que estudar? , declarou

O diretor da empresa organizadora disse também que existem fontes de estudo para todos os conteúdos contestados e citou sites e apostilas produzidas especificamente para a prova.

O promotor Pedro Henrique Andrade afirmou ainda que o Ministério Público tem registros de fatos semelhantes ao de Santana de Mangueira. ?O objetivo de ingressar na Administração Pública por meio de concurso público é algo comum a milhões de brasileiros e a disputa está cada vez maior. Isso tem feito com que os interessados redobrem a vigilância quanto a eventuais distorções no processo seletivo, buscando o Ministério Público para sanar as irregularidades, o que efetivamente tem sido feito?, completou.

Fonte: G1