Passar no INSS exige o dominar direito previdenciário e português

Passar no INSS exige o dominar direito previdenciário e português

O edital contempla 300 vagas de analista do seguro social, sendo 26 destinadas para candidatos com deficiência.

O Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) lançou edital para 300 vagas de analista do seguro social, sendo 26 destinadas para candidatos com deficiência. O processo seletivo de 2013 selecionará profissionais formados em 18 áreas para o cargo de nível superior. A prova será aplicada em 98 cidades e tem data prevista para 13 de outubro. A banca responsável será a Fundação de Apoio à Pesquisa, Ensino e Assistência (Funrio). As questões serão de múltipla escolha e, na parte de conhecimentos básicos, o candidato responderá itens de língua portuguesa, ética no serviço público, informática, administração e noções de direito administrativo, constitucional e previdenciário. Em conhecimentos específicos, a banca trará temas relacionados à área escolhida, com peso dois para o resultado final. As vagas abertas para o concurso de 2013 são para as cinco superintendências regionais do órgão e para a administração central, em Brasília.

Devido à importância do tema para as atividades de analista do INSS, direito previdenciário será um dos destaques da prova, com oito questões de peso dois. O professor Ítalo Eduardo, autor do livro Curso de direito previdenciário (Editora Elsevier; 560 páginas; R$ 109,90), chama atenção para o perfil da banca. ?A Funrio costuma cobrar a literalidade dos artigos da lei e fundamentos da Constituição Federal, e não as decisões de jurisprudência dos tribunais. É possível dizer isso com base na prova de 2009, também realizada por ela?, explica.

Eduardo recomenda atenção às leis nº 8.212 e 8.213, ambas de 1991, que tratam das contribuições e dos benefícios, respectivamente. ?No concurso anterior, uma parcela relevante dos itens do tema foi a respeito dos benefícios e é possível que isso se repita em 2013?, diz. O especialista destaca também o ponto do edital que fala a respeito de convênios e contratos e pede atenção ao Decreto nº 3.048, de 1999, que trata da regulamentação da Previdência. ?Esse é um assunto que não costuma aparecer, então, a recomendação é que os candidatos leiam os artigos 311 a 317 desse decreto para se preparar para o que pode ser cobrado?, sugere.

Dividir o tempo de estudos entre exercícios e a leitura das teorias é a estratégia que Caline Andrade, 25 anos, utiliza para se preparar para os concursos públicos. Candidata a uma das quatro vagas de ampla concorrência na área de fisioterapia abertas para a superintendência do órgão em Brasília, ela conta que começou a levar a sério os estudos para os certames há um ano e que disciplina e empenho são fundamentais para um bom resultado. ?Nas matérias que tenho domínio, como português e direito constitucional, dedico-me a refazer exercícios, para não errar os detalhes que sempre caem em concursos. Já outros assuntos que nunca estudei, como direito previdenciário, vou procurar por livros, cursinhos e videoaulas para me preparar ?, explica. Caline estuda 15 horas por dia e diz abrir mão de horários de lazer e descanso para se preparar. ?É preciso se desligar do mundo e traçar estratégias para melhorar o grau de concentração e, assim, conseguir melhores resultados?, afirma.

Todos os cargos

A língua portuguesa é disciplina comum a todos os cargos, com um total de 10 questões. Segundo o professor da disciplina no Gran Cursos Diego Amorim, na parte de gramática a banca deverá cobrar conhecimentos de concordância, pontuação, crase, regência e classificação de orações. ?A Funrio segue um padrão de cobrança de regras e não costuma contextualizar esse tipo de questão?, explica. Amorim acredita que a estratégia ideal para garantir uma boa pontuação nos itens é revisar o assunto por temas e se dedicar à resolução de exercícios antigos. ?O texto pode mudar, mas o que é cobrado costuma seguir um padrão?, afirma o professor.

Em relação à ética no serviço público, a professora Ana Maria de Melo, do site especializado Tempo de Concursos, afirma que a disciplina tem importância para a formação da conduta do servidor e na melhoria do comportamento do profissional. A especialista explica que a matéria deverá exigir certa dedicação dos candidatos, pois serão cobrados dois decretos, o n.º 1.711, de 1994, e o nº 6.029, de 2007. ?Eles são pontos distintos, mas interligados, pois o mais recente fez alterações parciais no de número 1.711 que podem ser questionadas?, destaca. A professora recomenda aos concurseiros refazerem questões relacionadas ao assunto não apenas da Funrio mas também de outras bancas, para ajudar a ampliar os conhecimentos de ética no setor. ?Alguns candidatos chegam com um conhecimento limitado desse decreto e, quando a prova traz algo a mais do que o que normalmente é cobrado, erram o item?, alerta.

O que diz o edital

Instituto Nacional do Seguro Social (INSS)

» Cargo: analista do seguro social em estatística, administração, ciências contábeis, direito, engenharia civil, engenharia mecânica, engenharia elétrica, engenharia de telecomunicações, engenharia com especialização em segurança do trabalho, arquitetura, tecnologia da informação, terapia ocupacional, pedagogia, psicologia, jornalismo, publicidade e propaganda, fisioterapia e letras

» Vagas: 300

» Remuneração: R$ 7.147,12

» Inscrições: até 13 de setembro

» Taxa: R$ 67,21

» Prova: 13 de outubro

» Edital: www.funrio.org.br

Fonte: Correio Brasiliense