Pesquisa da Nube revela como jovens pedem desligamento do estágio;saiba

Grande maioria prefere negociar o desligamento pessoalmente

O Núcleo Brasileiro de Estágios (Nube) realizou uma enquete de 23 de setembro a 4 de outubro com 8.785 candidatos, sobre a preocupação em ter uma postura profissional ao pedir o desligamento do estágio. As alternativas foram "Liga e avisa antes de sair", "Envia um e-mail", "Negocia o desligamento pessoalmente" e "Não vai mais à empresa".

O campeão absoluto foi "Negocia o desligamento pessoalmente", com 94,65%. Para Lizandra Bastos, analista de treinamentos do Nube, isso reflete um pouco as características da atual ?geração Y?. "Esses jovens tratam o vínculo profissional como algo passível de mudança, por serem mais arrojados, audaciosos, inquietos e ávidos pelo sucesso. Falar frente a frente não é um problema", explica.

No entanto, a especialista faz um alerta. "Antes de tomar essa atitude, é preciso levar em consideração a relevância da oportunidade para o seu plano de carreira. Quais pontos pode aprender e desenvolver na empresa? Sair é realmente a melhor decisão? Pense nisso?, aconselha.

As outras três opções ficaram bem distantes do primeiro colocado. Em segundo lugar, com 3,14%, ficou "Liga e avisa antes de sair". Bem próximo, em terceiro, veio "Envia um e-mail", com 1,21%. Por fim, "Não vai mais à empresa" ficou com 1%, com apenas 88 votos.

Para os jovens receosos em enfrentar a situação, Lisandra aconselha: ?Pondere os desdobramentos de tal atitude. Como isso poderá interferir na rotina dos demais? Procure conversar com seu gestor imediato e combine uma data para o fim de suas atividades. Se possível, ofereça ajuda para quem ficar no seu lugar. Assim, a sua imagem profissional será preservada".

Segundo Associação Brasileira de Estágios (Abres), há 1 milhão de estagiários no Brasil, sendo 740 mil de ensino superior e 360 mil para médio e médio técnico. O Artigo 1º da Lei 11.788 estipula que a função do estágio é ser "ato educativo escolar supervisionado", não caracterizando vínculo empregatício.

Fonte: G1