Polícia Federal vai investigar irregularidades no concurso da Anvisa

Polícia Federal vai investigar irregularidades no concurso da Anvisa

Mais de 50 candidatos registrarem ocorrência na 1ª Delegacia de Polícia Civil do Distrito Federal, devido a diversas irregularidades durante provas

Após mais de 50 candidatos registrarem ocorrência na 1ª Delegacia de Polícia Civil do Distrito Federal, devido a diversas irregularidades durante a aplicação das provas do concurso da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, a PCDF informou que o caso será levado para investigação da Polícia Federal (PF). Em comunicado a Cetro, banca organizadora do certame, informou que ?fatos isolados foram observados e são objeto de apuração por parte desta organizadora. Tão logo esteja concluída esta averiguação, os candidatos serão informados através do site www.cetroconcursos.org.br ".

Ontem, falhas na organização do concurso da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) provocaram confusão ontem de manhã, na Universidade Paulista (Unip), um dos locais de prova. Os fiscais começaram a distribuir os cadernos com pelo menos 40 minutos de atraso. Dezenas de pessoas não receberam a prova ou a receberam com o lacre do envelope violado. Os candidatos prejudicados pediram o cancelamento do certame e fizeram denúncias contra o Instituto Cetro, responsável pela aplicação do concurso. A Polícia Militar foi chamada para conter os mais exaltados. Até o fim da manhã, previsão de término do teste, não foi dada nenhuma explicação oficial sobre os problemas ocorridos e, até o fechamento desta edição, não havia informações sobre a possibilidade de cancelamento do exame.

A prova estava marcada para as 8h. Quem estava na Unip disse que nem todos os fiscais recolheram celulares e relógios, um desrespeito às regras do edital de abertura. Erros como malotes trocados atrasaram a distribuição dos cadernos. Em algumas salas, candidatos começavam a resolver os exercícios, enquanto outros não haviam recebido a prova. ?Logo começou um barulho no corredor. Uma moça da minha sala disse que não faria a prova naquelas condições. O fiscal também não sabia o que fazer. Aí resolvemos sair?, contou a dona de casa Vilma de Oliveira, 47 anos. Ela afirmou que alguns candidatos levaram os cadernos de prova, mas outros não puderam fazer o mesmo.

O concurso oferece 314 oportunidades para cargos de níveis médio e superior, com salários que variam de R$ 4.760,18 a R$ 10.019,20 para uma jornada de trabalho de 40 horas semanais. Mais de 125 mil candidatos se inscreveram às vagas para técnico, analista e especialista. A concorrência é alta: 399 pessoas por cada oportunidade. A estudante Tânia Mara Machado, 25 anos, veio de Três Marias, Minas Gerais, unicamente para a prova. ?Recebi o envelope aberto. Saí e fiquei esperando uma satisfação?, disse. Ainda nervosa por conta da indefinição, Tânia contou que uma prima fez a mesma prova em outro prédio, sem transtornos.

Fonte: Correio Web