Universidade Estadual do Piauí seleciona estudantes para intercâmbio

Universidade Estadual do Piauí seleciona estudantes para intercâmbio

Estão abertas até 6 de março de 2015 as inscrições para 170 bolsas de intercâmbio em Universidades da Europa. A iniciativa é parceria Uespi com o programa Erasmus Mundus

O desejo de conseguir uma bolsa de estudo fora do país e, assim, agregar conhecimento dentro de uma área específica, agora se torna realidade para alunos, professores, servidores e ex-alunos da Universidade Estadual do Piauí (Uespi). Estão abertas até 6 de março de 2015 as inscrições para 170 bolsas de intercâmbio em Universidades da Europa. A iniciativa é parceria da Uespi, através da Diretoria de Relações Internacionais (DRI) e programa Erasmus Mundus (criado e financiado pela União Europeia). No Brasil, apenas o Piauí e São paulo são contemplados pelo programa.

De acordo com a coordenadora do curso de Licenciatura em Letras/Inglês da Uespi, professora Socorro Baptista, que representa a Uespi junto ao projeto Euroinka (programa Erasmus Mundus), o objetivo da parceria é aliar a graduação na instituição com o conhecimento em outro país. “É algo que proporciona o crescimento do aluno, permitindo outra visão de mundo, além do crescimento profissional de todos os contemplados”, afirma.

A coordenadora explica que para concorrer a bolsa, o candidato deve fazer sua inscrição on-line na página do Euroinka (www.euroinka.eu/) que tem versões em inglês, português e espanhol. Ao acessar, deve verificar o lado direito, onde informa o cadastro e o login. Após se cadastrar, o candidato deve responder as perguntas impostas pelo sistema.

Além disso, é necessário escanear alguns documentos. Caso seja de graduação, é obrigatório o comprovante de matrícula; carta de recomendação do coordenador do curso, informando que a instituição oferece apoio ao aluno; também assinar o termo de compromisso que está disponível no site Euroinka. Já os outros documentos dependem de cada instituição.

“Algumas universidades exigem o conhecimento específico da língua estrangeria, assim deve comprovar que fez o exame de proficiência. Outras pedem um vídeo do idioma exigido e ainda tem as em que não há exigência específica”, explica a professora Socorro Baptista.

Mais estudantes são contemplados

O diferencial oferecido pela universidade é a abrangência em diferentes áreas de conhecimento, pois a maioria das bolsas oferecidas no país, restringem determinadas áreas. Por isso, os alunos estão confiantes com a oportunidade, é o caso da estudante do curso de Comunicação Social da Uespi, Isiane Gonçalves. “Já tinha buscado outras oportunidades de intercâmbio que contemplassem a Uespi, mas a maioria sempre tinha muitas restrições ou as oportunidades simplesmente não existiam. E estudar fora do país é um aprendizado que vai muito além das salas de aula, por isso a ação de promover essa experiência para estudantes de uma universidade pública, enriquece muito o estado”, conta.

A mesma confiança afirma a estudante do curso de Ciências Biológicas, Carla Casagrande. “Sou ex-aluna de escola pública e nunca imaginei um dia sair do Brasil, muito menos para estudar. Até um tempo atrás, isso era coisa para pessoas com maiores condições de vida. Era uma realidade tão oposta da minha e agora ver que é possível, é muito bom”.

Entretanto, a estudante pontua como negativo as exigências com os documentos, que ainda são difíceis de obter, como o passaporte e o exame de proficiência na língua estrangeira.

Mesmo com a preocupação em relação aos documentos, o candidato deve ir em busca do objetivo maior, que é o conhecimento. Por isso, Socorro Baptista faz o chamado a todos os interessados. “É a primeira vez que tem um edital desse nível que abrange todas as áreas, pois outras bolsas não contemplam a área de humanas e sempre muita gente fica de fora. Por isso, todo aluno da Uespi deveria tentar, tanto para graduação como alunos do mestrado, ex-alunos e funcionários”, relata.

É o que também afirma a diretora de Relações Internacionais da Uespi, professora Nadja Caetano, que está a frente da ação e onde conta o objetivo do setor dentro da universidade. “Trabalhamos em equipe para que mais projetos venham para Uespi e se tornem contínuos. Além de institucionalizar o rendimento da comunidade acadêmica, dando todo suporte aos professores e alunos”, finaliza.

Fonte: Thays Teixeira e Daniely Viana